Novo estudo argumenta que VOYAGER 1 ja saiu do sistema solar

De acordo com uma equipe de investigadores da Universidade de Maryland, EUA, a Voyager 1 parece ter finalmente saído do nosso Sistema Solar e entrado no espaço interestelar.
Esta impressão de artista mostra a sonda Voyager 1 contra um fundo de estrelas na vasta escuridão do espaço.
Crédito: NASA/JPL-Caltech
 
Transportando saudações terrestres num fonógrafo banhado a ouro e instrumentos científicos ainda operacionais, a sonda Voyager 1 da NASA é o objecto mais distante feito pelo Homem. E agora, afirmam estes cientistas, começou a primeira exploração da nossa Galáxia para lá da influência do Sol. "É uma visão um tanto ou quanto controversa, mas pensamos que a Voyager finalmente deixou o Sistema Solar, e está realmente no início das suas viagens pela Via Láctea," afirma Marc Swisdak, autor principal de um novo artigo publicado esta semana na revista The Astrophysical Journal Letters. Swisdak e colegas James F. Drake, também da mesma universidade, e Merav Opher da Universidade de Boston, construíram um modelo da orla exterior do Sistema Solar que encaixa nas observações mais recentes, tanto esperadas como inesperadas.
 
O seu modelo indica que a Voyager 1 na realidade entrou no espaço interestelar há pouco mais de um ano, um achado directamente oposto aos recentes artigos publicados pela NASA e outros cientistas que sugerem que a sonda está ainda numa zona de transição vagamente definida entre a esfera de influência do Sol e o resto da Galáxia. Mas porquê a controvérsia? A questão está em saber como é o limite de cruzamento, a 18 mil milhões de quilómetros de distância. A heliosfera é uma região do espaço relativamente bem compreendida, dominada pelo campo magnético e partículas carregadas emanadas pela nossa estrela. É desconhecida a estrutura e localização da zona de transição da heliopausa. De acordo com a sabedoria tradicional, ficaremos a saber se já passámos por esta fronteira misteriosa quando pararmos de ver partículas solares e começarmos a ver partículas galácticas, e também ao detectar uma mudança na direcção predominante do campo magnético local.
 
Os cientistas da NASA divulgaram recentemente que no Verão passado, após oito anos de viagem através da camada mais externa da heliosfera, a Voyager 1 detectou "várias passagens por um limite diferente de tudo o já observado anteriormente." Estes mergulhos sucessivos, e posteriores recuperações, nas contagens de partículas solares, chamou a atenção dos investigadores. Os mergulhos na contagem de partículas solares correspondem a aumentos abruptos no número de electrões e protões. Em cerca de um mês, estes números de partículas solares desapareceram, e apenas permaneceram as contagens de partículas galácticas. No entanto, a Voyager 1 não observou mudanças na direcção do campo magnético.
 
Para explicar esta observação inesperada, muitos cientistas teorizam que a Voyager 1 entrou numa espécie de "zona de esgotamento" do invólucro heliosférico, mas que a sonda está ainda dentro dos limites da heliosfera. Swisdak e colegas, que não fazem parte das equipas científicas da Voyager 1, dizem que há outra explicação. Em trabalhos anteriores, Swisdak e Drake focaram-se na reconexão magnética, ou na quebra e reconfiguração de linhas do campo magnético. É o fenómeno suspeito de se esconder no coração das proeminências solares, nas ejecções de massa coronal e em muitos outros eventos altamente energéticos e dramáticos do Sol. Os investigadores argumentam que a reconexão magnética é fundamental para a compreensão dos dados surpreendentes da NASA.
 
Embora muitas vezes descrita como uma bolha que contém a heliosfera e o seu conteúdo, a heliopausa não é uma superfície que separa perfeitamente o "fora" do de "dentro". De facto, Swisdak, Drake e Opher afirmam que a heliopausa é porosa para certas partículas e que tem uma complexa estrutura magnética em camadas. Aqui, a reconexão magnética produz um conjunto complexo de "ilhas" magnéticas aninhadas, laços independentes que espontaneamente surgem num campo magnético devido a uma instabilidade fundamental. O plasma interestelar pode penetrar na heliosfera ao longo das linhas de campo religadas, e os raios cósmicos galácticos e outras partículas solares misturam-se vigorosamente.
 
Ainda mais interessante é que a queda nas contagens de partículas solares e os picos nas contagens de partículas galácticas podem ocorrer através de "encostas" no campo magnético, que emanam dos locais de reconexão, enquanto a direcção do campo magnético permanece inalterada. Este modelo explica os fenómenos do Verão passado, e Swisdak e colegas sugerem que a Voyager 1 ultrapassou a heliopausa no dia 27 de Julho de 2012.
 
Num comunicado de imprensa da NASA, Ed Stone, cientista do projecto Voyager e professor de física no Instituto de Tecnologia da Califórnia, diz, em parte: "outros modelos vislumbram o campo magnético interestelar envolto em redor da nossa bolha solar e prevêm que a direcção do campo magnético solar é diferente da do campo magnético solar no interior. Nessa interpretação, a Voyager 1 estaria ainda dentro da nossa bolha solar. O modelo de conexão magnética [de Swisdak e colegas] passará a fazer parte da discussão entre cientistas que tentam conciliar o que pode estar a acontecer numa escala mais fina com o que acontece numa escala maior.
 
Trinta e seis anos após os seus lançamentos em 1977, as gémeas Voyager 1 e 2 continuam a explorar onde nada da Terra voou antes. A sua missão principal foi a exploração de Júpiter e Saturno. Depois de uma série de descobertas - tais como vulcões activos na lua de Júpiter, Io, e complexidades nos anéis de Saturno - a missão foi prolongada. A Voyager 2 explorou Urano e Neptuno, e ainda é a única sonda a ter visitado esses planetas exteriores. A missão actual das duas sondas é explorar o limite exterior e para lá do domínio do Sol. Ambas as Voyager são capazes de enviar dados científicos a partir de uma ampla gama de instrumentos, com energia eléctrica e combustível suficiente para se manterem operacionais até 2020. Espera-se que a Voyager 2 entre no espaço interestelar alguns anos após a sua sonda gémea.
Fonte: Astronomia On-Line

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton