Buracos de minhoca são a melhor aposta para viagens no tempo diz astrofisico

O conceito de uma máquina do tempo normalmente evoca imagens de um enredo usado em muitas histórias de ficção científica. Mas de acordo com a teoria da relatividade geral de Albert Einstein, que explica como a gravidade opera no universo, viagens no tempo podem muito bem ser reais. 
Viajar para o futuro é uma possibilidade incontroversa, de acordo com a teoria de Einstein. Na verdade, os físicos foram capazes de enviar para o futuro pequenas partículas chamadas múons, que são semelhantes aos elétrons, por meio da manipulação da gravidade em torno deles. Isso não quer dizer que a tecnologia para o envio de seres humanos 100 anos no futuro estará disponível em breve, no entanto. Já a viagem para o passado é menos compreendida. Ainda assim, o astrofísico Eric W. Davis, do Instituto Internacional Earthtech, de Estudos Avançados em Austin, EUA, argumenta que isso é possível. Tudo que você precisa, diz ele, é um buraco de minhoca, uma estrutura prevista pela teoria da relatividade que manipularia o espaço-tempo.
 
“Você pode ir para o futuro ou para o passado usando buracos de minhoca”, Davis disse.
Onde está o meu buraco de minhoca?
 
Buracos de minhoca nunca foram encontrados, e se eles forem descobertos (ou criados), eles seriam tão pequenos que uma pessoa não poderia caber dentro, muito menos uma nave espacial. Mesmo assim, o estudo aborda as máquinas do tempo e a possibilidade de que um buraco de minhoca possa ser usado como um meio para viajar para o passado. Tanto a teoria geral da relatividade quanto a teoria quântica parecem oferecer várias possibilidades para viajar ao longo do que os físicos chamam de “curva tipo-tempo fechada”, ou um caminho que atravessa o tempo e o espaço – essencialmente, uma máquina do tempo. Na verdade, disse Davis, o atual entendimento dos cientistas das leis da física estão infestados com máquinas do tempo em que existem inúmeras soluções de geometria do espaço-tempo que possibilitam tal façanha.
 
Um buraco de minhoca funcional permitiria que uma nave, por exemplo, viajasse de um ponto a outro mais rápido do que a velocidade da luz. Isso porque a nave chegaria ao seu destino mais cedo do que um raio de luz, ao tomar um atalho através do espaço-tempo por meio do buraco de minhoca. Dessa forma, o veículo realmente não quebraria a regra do chamado limite de velocidade universal – a velocidade da luz. Teoricamente, um buraco de minhoca poderia ser usado para cortar caminho não só através do espaço, mas ao longo do tempo também. No entanto, Davis acrescentou, transformar um buraco de minhoca em uma máquina do tempo não será fácil. “Seria preciso um esforço hercúleo para isso”, disse ele.

Isso porque uma vez que um buraco de minhoca é criado, uma ou ambas as extremidades deveriam ser aceleradas a uma velocidade enorme (metade da velocidade da luz, por exemplo) até a posição desejada, o que exigiria uma colossal quantidade de energia.
 
Desafios
Existem várias teorias sobre como as leis da física podem trabalhar para evitara viagem no tempo através de buracos de minhoca.  Não somente assumimos [que viagens para o passado] não são possíveis, mas também que as leis da física, quando totalmente compreendidas, vão descartá-las totalmente”, disse Robert Owen, astrofísico do Oberlin College, em Ohio, que é especialista em buracos negros e em teoria da gravitação. De acordo com o atual entendimento dos cientistas, manter um buraco de minhoca estável o suficiente para ser funcional requer grandes quantidades de matéria exótica, uma substância que ainda é muito mal compreendida. A relatividade geral não postula a existência da matéria exótica. Mas ela existe. É aí que a teoria quântica entra em cena. Assim como a relatividade geral, a teoria quântica é um sistema para explicar o universo em sua microescala.
 
No entanto, a matéria exótica só foi observada em quantidades muito pequenas – não o suficiente para manter aberto um buraco de minhoca. Físicos teriam que encontrar uma maneira de gerar e utilizar grandes quantidades de matéria exótica para produzir um buraco de minhoca funcional. Além disso, outros físicos usaram a mecânica quântica para postular que a tentativa de viajar através de um buraco de minhoca criaria algo chamado de reação de volta quântica.
 
Em uma reação de volta quântica, o ato de transformar um buraco de minhoca em uma máquina do tempo poderia causar uma acumulação maciça de energia, em última análise destruindo a estrutura antes que ela pudesse ser utilizada como uma máquina de tempo. No entanto, o modelo matemático utilizado para calcular a reação de volta quântica leva em conta apenas uma dimensão do espaço-tempo.
 
“Estou confiante de que, uma vez que a relatividade geral não falhou, suas previsões para as máquinas do tempo permanecem válidas e testáveis, independentemente do que a teoria quântica diz sobre esses assuntos”, acrescentou Davis. Isso ilustra um dos principais problemas nas teorias de viagens no tempo: os físicos têm de fundamentar seus argumentos na relatividade geral ou na teoria quântica, sendo que ambas são incompletas e incapazes de explicar em sua totalidade o nosso complexo universo. Antes que eles possam figurar uma viagem no tempo, os físicos precisam encontrar uma maneira de conciliar a relatividade geral e a teoria quântica em uma teoria quântica da gravidade. Essa teoria, então, serviria como base para um estudo mais aprofundado das viagens no tempo.
 
Portanto, Owen argumenta que é impossível ter certeza sobre a possibilidade de viajar no tempo. “A ideia de máquina do tempo baseada em buracos de minhoca leva em conta a relatividade geral, mas deixa de fora a mecânica quântica”, Owen disse. “A mecânica quântica parece nos mostrar que a máquina do tempo poderia funcionar de uma maneira que não esperamos.”
Fonte: LiveScience

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton