Paradoxo de Olbers - Enigma da escuridão do Universo

Se o Universo tem um número infinito de estrelas, então presumivelmente deveria ser tão brilhante quanto o centro da nossa Estela Sol. Uma analogia pode ser feita. Se você ficar em um pequeno bosque de árvores e olhar para o horizonte, é possível ver manchas de céu na distância entre troncos das árvores. Mas se você está em uma grande floresta, a sua visão está em toda parte bloqueada por uma “parede sólida” de troncos de árvores. Entendendo esta analogia em três dimensões, se o universo das estrelas é grande o suficiente, sua linha de visão deve ser bloqueada em todas as direções por uma “parede sólida” de estrelas. As estrelas de um universo é tão brilhante porque começaram a absorver o calor de suas estrelas vizinhas. E é isso o que acontece quando uma estrela é aquecida. As teorias da termodinâmicas e nuclear estão aí para explicar está questão técnica. Não espera-se que as estrelas esfriem ou que se aqueçam eternamente. O Paradoxo de Olbers originou-se antes dos físicos desenvolverem a teoria nuclear de como as estrelas brilham. Assim, ele nunca se preocupou com a idade que as estrelas podem ter,e como os detalhes de suas transações de energia pode afetar o seu brilho.
 
O Paradoxo de Olbers é o fato de que o céu noturno não é tão brilhante como o Sol. Em 1610, Johannes Kepler questionou o porque do céu noturno não ser tão brilhante, e mais tarde Halley e Cheseaux no século XVIII rediscutiu a questão. Mais somente no século XIX foi popularizado como Paradoxo de Olbers pelo astrônomo alemão Heinrich Wilhelm Olbers.
Várias explicações foram levantadas como:
  • Há muita poeira para ver as estrelas distantes.
  • O Universo tem apenas um número finito de estrelas.
  • A distribuição das estrelas não é uniforme.Por exemplo, poderia haver uma infinidade de estrelas, mais eles se escondem uma atrás do outro de modo a que apenas uma área angular finita é subentendido por eles.
  • O Universo está se expandindo, assim estrelas distantes são vermelhas.
  • O Universo é jovem. Luz distante nem sequer chegarem até nós ainda.
A primeira explicação é simplesmente errada. Em um corpo negro, a poeira vai aquecer também. Ele age como um escudo de radiação, exponencialmente amortecendo a luz das estrelas distantes. Mas você não pode colocar pó suficiente no Universo para se livrar da intensa luz das estrelas. A premissa da segunda explicação pode ser tecnicamente correta. Mas o número de estrelas, finito como poderia ser, ainda é grande o suficiente para iluminar todo o céu. A terceira explicação pode estar parcialmente correta. Nós simplesmente não sabemos se as estrelas estão distribuídas uniformemente, então poderia haver grandes manchas de espaços vazios, o céu pode parecer escuro, exceto em pequenas áreas.
 
Por fim, as duas possibilidades finais estão mais próximas de serem verdadeiras. Há argumentos numéricos que sugerem que o efeito da idade finita do Universo é a resposta mais plausível para o Paradoxo de Olbers. Vivemos dentro de uma concha esférica de “Universo Observável”, que tem raio igual ao tempo de vida do Universo. Objetos de cerca de 13,7 bilhões de anos estão longe demais para que sua luz chegue até nós.
 
Após Hubble descobrir que o universo estava em expansão, a teoria do Big Bang foi firmemente estabelecida pela descoberta da radiação cósmica. O Paradoxo de Olbers foi então apresentado como prova da relatividade especial. O desvio da luz das estrelas para o vermelho constitui este fato. Porém a idade finita do Universo é o caminho mais certo para resolver o Paradoxo de Olbers.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton