Beta Pictoris: Um dos sistemas solares mais violentas já descobertos

Beta Pictoris: Um dos sistemas solares mais violentos já descobertos

Há um sistema solar perto daqui que hospeda um campo de destroços extraordinariamente ativo, aquela em que um cometa é aniquilado a cada cinco minutos. Os astrônomos dizem que pode ser o resultado de detritos gravitacionalmente presos – ou uma colisão catastrófica entre dois planetas do tamanho de Marte. O sistema solar, chamado Beta Pictoris, está localizado a cerca de 63 anos-luz da Terra. Ele se formou cerca de 20 milhões de anos atrás, por isso é um parente recém-chegado à galáxia. Tem um planeta conhecido, Beta Pictoris b, localizado a 1,2 bilhões de quilômetros da estrela e uma massa várias vezes maior que a de Júpiter. Mas o sistema também possui um campo de destroços de destaque e luminoso – e dentro dele, uma nuvem compacta de gás venenoso orbita a margem externa do sistema solar. É formada (e continua a ser mantida) por colisões entre um enxame de corpos semelhantes a cometas gelados. Os cientistas têm duas teorias para explicar a sua presença: os restos congelados são presos e unidos pela gravidade de um planeta ainda a ser descoberto, ou é o remanescente de uma colisão entre dois planetas gelados.

Ao utilizar o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), no Chile, uma equipe de astrônomos internacionais mapeou o comprimento de luz que emana da poeira e das moléculas de monóxido de carbono dentro do disco, revelando uma quantidade desproporcional do último – cerca de 0,3% a massa da nossa lua. Este gás é um dos muitos encontrados armazenados em cometas e outros corpos gelados que, junto com a poeira e grãos de gelo, são liberados após colisões.

Dentro deste vasto cinturão de monóxido de carbono está um aglomerado de gás localizado a cerca de 13 bilhões de km da estrela, o que é cerca de 3 vezes a distância entre Netuno e o nosso Sol (85 UA). Notavelmente, a quantidade total de CO medido ultrapassa 200 bilhões de toneladas, o que equivale a cerca de um sexto da massa dos oceanos da Terra. Cerca de 100 anos são necessários para a luz ultravioleta da estrela quebrar moléculas de CO, uma duração muito mais rápida do que o tempo que levaria  para a nuvem completar uma única órbita em torno da estrela. É certamente possível que nós estamos observando Beta Pictoris durante esta janela de tempo excepcionalmente pequena. É mais provável, porém, que alguma coisa a mais está acontecendo.

Essa outra coisa, dizem os astrônomos, é a reposição contínua de monóxido de carbono na nuvem, provavelmente causada pelas colisões constantes e frequentes entre os corpos celestes gelados dentro dela. Na verdade, os cálculos mostram que, para compensar a dissipação de moléculas de CO, um grande cometa deve ser destruído de cinco em cinco minutos. Os astrônomos estão agora tentando descobrir o porquê. Uma possibilidade é que o sistema solar tenha um planeta gigante desconhecido perto da extremidade interior do cinturão de CO. Comparativamente, a gravidade de Júpiter tem aprisionado milhares de asteróides em dois grupos – um grupo na frente e outro atrás da órbita do gigante do gás.

Felizmente, astrônomos são capazes de observar Beta Pictoris quase de lado, o que lhes permite determinar se o cinturão de CO tem uma única concentração de gás ou duas em lados opostos da estrela. Eles não estão inteiramente certos, mas estão atualmente inclinando-se para o segundo cenário. Se for esse o caso, mais observações devem revelar o segundo grupo e o planeta misterioso. Mas, se os astrônomos não puderem encontrar esses dois elementos ausentes, deixam um cenário alternativo: uma colisão entre dois planetas gelados do tamanho de Marte em torno de meio milhão de anos atrás.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton