Novas pistas encontradas sobre o início do sistema solar

Interpretação artística, mostra uma jovem estrela parecida com o Sol cercada por seu disco de formação planetária de gás e poeira. (Imagem: NASA / JPL-Caltech)
Interpretação artística, mostra uma jovem estrela parecida com o Sol cercada por seu disco de formação planetária de gás e poeira. (Imagem: NASA / JPL-Caltech)

 Um grupo de pesquisa do UA Lunar and Planetary Laboratory, encontrou evidências em meteoritos que fazem alusão a descoberta de uma região até então desconhecida dentro do disco de poeira e gás conhecido como o disco protoplanetário – que deu origem aos planetas em nosso sistema solar. Liderados por Kelly Miller, uma estudante de doutorado no laboratório de Dante Lauretta, o investigador principal da missão OSIRIS-REx da NASA, a equipe encontrou provas minerais dentro de meteoritos que se formaram em um ambiente que foi reforçado em oxigênio e enxofre, datado de um tempo antes de as partículas se aglomerarem para formar corpos maiores como asteroides e planetas.

Miller apresentou os dados na 46ª Conferência Ciência Planetária e Lunar, que foi realizada entre os dias 16-20 março em The Woodlands, Texas. Os resultados estão em preparação para publicação em uma revista, mas não foram revistos ainda. Os elementos que mais tarde passaram a constituir os principais ingredientes da vida na Terra – como carbono, oxigênio, nitrogênio e hidrogênio – originaram gases voláteis como no disco protoplanetário quando o sistema solar tinha menos de 10 milhões de anos, disse Miller. “Se queremos entender como esses elementos contribuíram para a vida, temos que entender onde eles estavam no momento em que o sistema solar se formou”, disse ela.

Pistas do nascimento do sistema solar em meteoritos


Miller e sua equipe estudaram meteoritos chamado chondrites, que pensa-se serem sobras mais primitivas do nascimento e da infância do sistema solar há 4,6 bilhões de anos atrás. Eles deram o nome baseado em seu principal componente – chondrules, que se formou a partir de gotículas fundidas que flutuam pelo espaço. “Nós achamos que os chondrites representam os blocos de construção mais antigos de planetas rochosos como a Terra, Marte ou Vênus”, disse Miller. Especificamente, Miller e seus colegas de trabalho estudaram seções tão finas quanto um fio de cabelo humano cortadas de R chondrites, um tipo raro de meteorito chamado assim devido ao local que caiu seu primeiro exemplar: Rumuruti no Quênia. Acredita-se que R chondrites se formaram em algum lugar entre a Terra e Júpiter.

Em um espécime, encontrado na Antártida, eles descobriram um novo tipo de bloco de construção chamado chondrules sulfeto. As amostras foram obtidas a partir da coleção de americana de meteoritos da Antártica – um esforço cooperativo entre a NASA, a National Science Foundation (NSF) e da Smithsonian Institution. “Geralmente, chondrules são constituídos por minerais ricos em silício, mas os chondrules que encontramos neste meteorito são completamente diferentes pois eles são compostos de sulfetos minerais”, explicou ela.

 “Isto sugere que eles se formaram em uma região que era rica em enxofre, e fornece evidências de um tipo de ambiente até então desconhecido do início do sistema solar.” “Nossa descoberta dos chondrules de sulfeto vai nos ajudar a colocar um número quantificável de quanto sulfeto foi reforçado na região do disco protoplanetário”, acrescentou Miller. A obtenção de uma melhor compreensão da distribuição de gases no início do sistema solar foi identificada pela Planetary Science Decadal Survey, como um objetivo prioritário para o estudo de organismos primitivos. Publicado pelo Conselho Nacional de Pesquisa para a NASA e outras agências governamentais, tais como a National Science Foundation, o documento identifica questões-chave em ciência planetária e traça planos para explorações espaciais e terrestres dos próximos 10 anos.

 “O que é interessante sobre esta amostra é que ela não tem sido aquecida a altas temperaturas e, assim, alterado em sua composição”, disse Miller. “Sabemos que é um fragmento de um asteroide maior, e alguns dos asteroides que foram levados a temperaturas mais elevadas, perderam a assinatura dos blocos de construção originais do asteroide, mas a nossa peça mantém os blocos de construção originais.”

“Esses chondrules de sulfeto nos ajudam a fixar quando e onde que o realce de enxofre ocorreu e nos ajudar a entender melhor o processo”, acrescentou. Para saber mais sobre os estágios iniciais do sistema solar, incluindo a origem dos blocos de construção da vida e da água, a missão UA-led OSIRIS-REx está se preparando para lançar uma sonda robótica para o asteroide Bennu em 2016 e trazer uma amostra de pelo menos 60 gramas de material novo de volta à Terra para estudo. A missão irá fornecer uma ampla quantidade de material de amostra e, mais importante ainda, a partir de um contexto conhecido. “Ao contrário dos meteoritos que vieram até nós por acaso e nós estamos sem o contexto de onde o material foi formado, com OSIRIS-REx saberemos exatamente de onde aquele pedaço veio, e nós vamos conhecer a história de Bennu – onde ele estava no passado “, disse Miller.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Tipos de Estrelas

Nova Classificação do Sistema Solar

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Como surgiu o primeiro átomo?

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton