Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2018

Um outro Mercúrio, mas grande como a Terra

É em tamanho muito semelhante à Terra, mas tem duas vezes e meia a massa do nosso planeta, o que o torna afinal muito mais denso e, na sua composição global, mais parecido com Mercúrio. Um planeta descoberto à distância de 340 anos-luz poderá esclarecer as peculiaridades do planeta mais perto do Sol, segundo artigo1 publicado hoje na revista Nature Astronomy e da autoria de uma equipa internacional2 da qual fazem parte nove investigadores do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA3).
O planeta K2-229 b atraiu a atenção da equipa pelo tamanho muito semelhante ao da Terra. Porém, o seu núcleo metálico deverá perfazer 68% da massa, comparado com menos de um terço no caso da Terra. Este resultado não seria expectável tendo em conta a composição química da estrela-mãe, comenta Vardan Adibekyan (IA e Universidade do Porto), um dos autores do estudo e que contribuiu para a caracterização química da estrela K2-229. 
Esta estrela é um pouco mais nova e menos massiva que o nosso Sol e t…

Explore o COSMOS com ESASKY

O par de galáxias em interação M51 (baixo) e NGC 5194 (topo), visto no ESASky, o portal interativo da ESA para aceder a dados astronómicos recolhidos por missões científicas espaciais. Os retângulos e quadrados verdes são "pegadas" no céu dos diferentes instrumentos a bordo do Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA. O ESASky é um portal de descoberta que fornece acesso total a todo o céu. A aplicação de ciência aberta contém mais de meio milhão de imagens, 300.000 espectros e mais de mil milhões de fontes de catálogos.O ESASky possui uma interface fácil de explorar, visualizar e de transferir dados científicos de qualquer posição no céu.Crédito: ESA
Conheça o ESASky, um portal de descoberta que fornece acesso total a todo o céu. Esta aplicação de ciência aberta permite que usuários de computadores, tablets e dispositivos móveis visualizem objetos cósmicos próximos e distantes ao longo do espectro eletromagnético. Um inovador atlas celestial, a aplicação ESASky, baseada na Int…

Planetas de TRAPPIST-1 fornecem índios da natureza dos mundos habitaveis

TRAPPIST-1 é uma estrela anã ultrafria na direção da constelação de Aquário e os seus sete planetas orbitam muito perto dela.Crédito: NASA/JPL-Caltech
TRAPPIST-1 é uma estrela anã vermelha ultrafria ligeiramente maior, mais muito mais massiva, do que o planeta Júpiter, localizada a cerca de 40 anos-luz do Sol na direção da constelação de Aquário. Entre os sistemas planetários conhecidos, TRAPPIST-1 é de particular interesse porque foram detetados em torno da estrela sete planetas, o maior número de planetas detetados em qualquer sistema exoplanetário. Além disso, todos os planetas TRAPPIST-1 são rochosos e de tamanho terrestre, tornando-os um foco ideal para o estudo da formação planetária e da sua potencial habitabilidade.
Os cientistas da Universidade Estatal do Arizona, Cayman Unterborn, Steven Desch e Alejandro Lorenzo (Escola de Exploração Espacial e da Terra), com Natalie Hinkel da Universidade Vanderbilt, têm vindo a estudar estes planetas no que toca à sua habitabilidade, especi…

A NASA não consegue explicar como foi feito este estranho e profundo buraco em Marte

O Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) está na órbita de Marte desde 2006. A sonda já nos ajudou a descobrir muita coisa sobre o planeta vermelho, enviando imagens detalhadas da superfície de Marte para a Terra. Mas uma foto tirada do polo sul do planeta no ano passado está intrigando os cientistas. Nela, um buraco diferente dos outros deixou os astrônomos tentando descobrir o que o causou, e ainda não há nenhuma resposta conclusiva.
Toda a superfície do planeta está cheia de depressões e crateras, causadas pelos mais variados motivos, como meteoritos, lava, atividade vulcânica, etc. Mas o vasto buraco, que se localiza no “terreno de queijo suíço”, um local marcado pelo derretimento de dióxido de carbono congelado, parece ser um pouco mais profundo do que um buraco marciano médio, por isso chamou a atenção dos cientistas.
Como era verão no polo sul de Marte, o Sol estava baixo o suficiente no céu para acentuar as sombras sobre a paisagem, fazendo com que características sutis aparecessem, …

Big Bang é ciência ou dogma científico?

A ciência da cosmologia "Os cosmologistas estão frequentemente errados, mas nunca estão em dúvida," brincou certa vez o físico russo Lev Landau. Provavelmente não daria para ser diferente, uma vez que os cosmologistas trabalham com poucas possibilidades de colher dados experimentais, dependendo largamente de hipóteses e modelos que façam sentido. Além disso, é bem sabido que a ciência funciona em um sistema de autocorreção no qual estar certo nem sempre é o mais importante. Os astrônomos começaram observando e modelando estrelas em diferentes estágios de evolução e comparando seus resultados com previsões teóricas para validá-las ou descartá-las. E essa modelagem estelar usa física bem testada, com conceitos como equilíbrio hidrostático, lei da gravitação, termodinâmica, reações nucleares etc. Por outro lado, a cosmologia é baseada em uma grande quantidade de suposições não testadas, como a matéria escura não bariônica e a energia escura, cuja física não possui vínculo comprovad…

Nova teoria para explicar por que os planetas em nosso sistema solar têm composições diferentes

 Crédito: CC0 Public Domain Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Copenhague e do Museu de Naturkunde, Leibniz-Institut für Evolutions, apresentou uma nova explicação sobre a diferença na composição dos planetas do nosso sistema solar.  Em seu artigo publicado na revista Nature , eles descrevem seu estudo da composição do isótopo de cálcio de certos meteoritos, a própria Terra e Marte, e usam o que aprenderam para explicar como os planetas poderiam ser tão diferentes. A maioria dos cientistas planetários concorda que os planetas do nosso sistema solar tinham origens semelhantes às pequenas rochas que orbitam o Sol, compreendendo o disco protoplanetário, que colidia e fundia, criando rochas cada vez maiores que acabaram se tornando protoplanetas. 
Mas, a partir daí, não está claro por que os planetas se revelaram de maneira tão diferente. Nesse novo estudo, os pesquisadores criaram uma nova teoria para explicar como isso aconteceu. Os protoplanetas cresceram na mesma proporção, …

Astrônomos descobrem como usar lentes gravitacionais para medir a massa de Anãs Brancas

Para estudar os objetos mais distantes do Universo, os astrônomos geralmente usam uma técnica conhecida como Lente Gravitacional. Com base nos princípios da Teoria da Relatividade Geral de Einstein, essa técnica usa uma grande distribuição de matéria (como um aglomerado de galáxias ou uma estrela) para ampliar a luz vinda de um objeto distante, tornando-a mais brilhante e maior. No entanto, nos últimos anos, os astrônomos encontraram outros usos para essa técnica. Por exemplo, uma equipe de cientistas do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian (CfA) descobriu recentemente que a Lente Gravitacional também poderia ser usada para determinar a massa de estrelas anãs brancas. Essa descoberta pode levar a uma nova era na astronomia, onde a massa de objetos mais fracos pode ser determinada. Imagem feita pelo Hubble da estrela anã branca PM I12506 + 4110E (o objeto brilhante, visto em preto nesta impressão negativa) e seu campo que inclui duas estrelas distantes PM12-MLC1 e 2. Crédito: Hardi…

CURIOSITY comemora sol 2000 em MARTE

Mosaico do Monte Sharp feito pelo rover Curiosity da NASA. Curiosity tem escalado o monte desde Setembro de 2014. O rover atinge um novo marco, seu milésimo dia em Marte, ou sol, no Planeta Vermelho. O mosaico foi montado a partir de dezenas de imagens tiradas no sol de 1931 em Janeiro pela Mast Camera da Curiosity (Mastcam). O mosaico de imagens tiradas pelo rover em janeiro oferece uma prévia do que vem a seguir. No centro da imagem está o próximo grande alvo científico do rover, uma área que os cientistas estudaram em órbita e determinaram conter minerais de argila. 
A formação de minerais de argila requer água. Os cientistas já determinaram que as camadas inferiores do Monte Sharp se formavam dentro de lagos que outrora cercavam o chão da cratera Gale. A área à frente poderia oferecer informações adicionais sobre a presença de água, quanto tempo ela pode ter persistido e se o ambiente antigo pode ter sido adequado para a vida.
A equipe de cientistas da Curiosity está ansiosa para an…

Uma estrela passou raspando pelo nosso sistema solar 70.000 anos atrás

De acordo com um estudo da Universidade Complutense de Madri, alguns objetos distantes em nosso sistema solar carregam a marca gravitacional do sobrevoo de uma pequena estrela, que ocorreu 70 mil anos atrás. Nesta época, seres humanos modernos já caminhavam pela Terra, de forma que nossos ancestrais provavelmente viram a estrela no céu. Estrela de ScholzEm 2015, uma equipe de pesquisadores anunciou que uma anã vermelha nomeada “estrela de Scholz” aparentemente passou roçando pelo nosso sistema solar 70.000 anos atrás, chegando a menos de 1 ano-luz do sol. Em comparação, o vizinho estelar mais próximo do sol atualmente, Proxima Centauri, fica a cerca de 4,2 anos-luz de distância.
Os astrônomos chegaram a essa conclusão medindo o movimento e a velocidade da estrela de Scholz, que viaja ao lado de uma companheira menor, uma anã marrom, e extrapolando esses números até o passado. A estrela de Scholz passou pelo sistema solar numa época em que os primeiros humanos e os neandertais compartilh…

'OUMUAMUA veio provalvelmente de um sistema binário

Uma nova investigação sugere que 'Oumuamua, o objeto rochoso identificado como o primeiro asteroide interestelar confirmado, provavelmente veio de um sistema binário.
"É incrível termos visto pela primeira vez um objeto físico oriundo do exterior do Sistema Solar," comenta o autor principal Alan Jackson, pós-doutorado do Centro de Ciências Planetárias da Universidade de Toronto Scarborough em Ontario, Canadá. Um sistema binário, ao contrário do nosso Sol, tem duas estrelas em órbita de um centro comum.
Para o novo estudo, publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, Jackson e coautores decidiram testar quão eficientes são os sistemas binários no que toca a expulsar objetos. Também analisaram quão comuns são estes sistemas estelares na Galáxia.
Descobriram que objetos rochosos como 'Oumuamua são, muito provavelmente, originários de estrelas duplas, em vez de sistemas com uma única estrela. Também foram capazes de determinar que os objetos rocho…

Entrar em um buraco negro e sair vivo do outro lado pode ser possível, segundo matemático

Na física, o passado determina o que acontece no futuro. Se os físicos sabem como o universo começou, eles podem calcular seu futuro por todo o tempo e espaço. Mas um grupo de pesquisadores dos EUA, de Portugal e da Holanda diz que existem alguns tipos de buracos negros em que esta lei não é válida. Se alguém se aventurasse em um desses buracos negros e sobrevivesse, essa pessoa teria seu passado obliterado e poderia ter um número infinito de futuros possíveis.
Estas alegações não são exatamente novidade, mas os físicos invocaram algo chamado “forte censura cósmica” no passado para explicar. Ou seja, algo catastrófico – tipicamente uma morte horrível – impediria que os observadores realmente entrassem em uma região do espaço-tempo em que seu futuro não fosse determinado. Este princípio, proposto pela primeira vez há 40 anos pelo físico Roger Penrose, mantém intocada uma ideia, o determinismo, chave para qualquer teoria física, que afirma que, dado o passado e o presente, as leis física…

Estudo: o tempo existia antes do Big Bang

Será que o Big Bang foi mesmo o começo de “tudo”? Um novo estudo sugere que o evento não foi o início dos tempos, mas sim que o Big Bang nos leva a um tipo diferente de início em um universo invertido. A pesquisa foi publicada na revista científica Physics Letters B. O que é o Big BangCerca de 90 anos atrás, um astrônomo belga chamado Georges Lemaître propôs que mudanças observadas na luz de galáxias distantes implicavam que o universo estava se expandindo. Se o universo está ficando maior, isso significa que costumava ser menor. Ao “voltar a fita” cerca de 13,8 bilhões de anos, chegamos finalmente em um ponto no qual o espaço deveria estar confinado a um volume incrivelmente pequeno, também conhecido como “singularidade”.
Esse ponto seria o “começo de tudo”. Os desdobramentos do Big BangHá uma série de modelos que os físicos usam para descrever o “nada” do espaço vazio. A relatividade geral de Einstein é um deles: descreve a gravidade em relação à geometria do tecido subjacente do universo.

Todas as galáxias dão uma volta em torno do próprio centro a cada 1 bilhão de anos

Astrônomos australianos descobriram que todas as galáxias dão uma volta em torno do próprio eixo uma vez a cada 1 bilhão de anos, independentemente se são grandes ou pequenas, como mecanismos de relojoaria cósmica. “Não é com a precisão de um relógio suíço”, disse em comunicado o professor Gerhardt Meurer, do Centro Internacional de Pesquisa de Radioastronomia (ICRAR), da Universidade de Western Australia (UWA). Mas, independentemente de a galáxia ser grande ou pequena, se pudéssemos nos sentar na ponta extrema do seu disco enquanto gira, a galáxia o levaria cerca de 1 bilhão de anos para percorrer toda a rota”, explicou. O professor Meurer disse que ao usar as matemáticas simples, pôde mostrar que todas as galáxias do mesmo tamanho têm a mesma densidade interior média. “Descobrir a regularidade nas galáxias realmente nos ajuda a compreender melhor as mecânicas que as fazem funcionar: não encontraremos uma galáxia densa girando rapidamente, enquanto outra com o mesmo tamanho, mas menos…