Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2018

Monstros Nas Profundezas Do Oceano Cósmico

Embora a brilhante galáxia em primeiro plano da esquerda seja atraente, está longe de ser o objeto mais intrigante nesta imagem do Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA. Na parte superior do quadro, a luz de galáxias distantes foi borrada e torcida em formas de arcos e listras estranhas.  Esse fenômeno indica a presença de um aglomerado de galáxias gigante, que está dobrando a luz proveniente das galáxias por trás dele com sua monstruosa influência gravitacional. Esse cluster, chamado SDSSJ0150 + 2725, fica a cerca de três bilhões de anos-luz de distância e foi documentado pela primeira vez pelo SDSS (Sloan Digital Sky Survey), daí seu nome. O SDSS usa um telescópio óptico de 2,5 metros localizado no Observatório Apache Point, no Novo México, para observar milhões de objetos e criar mapas 3D detalhados do Universo.  Este cluster em particular foi parte do Sloan Giant Arcs Survey (SGAS), que detectou aglomerados de galáxias com fortes propriedades de lente; sua gravidade estica e dist…

GAIA Cria o mapa mais completo da nossa Galáxia – E mais além

A missão Gaia da ESA produziu o catálogo de estrelas mais completo, até hoje, incluindo medições de alta precisão de aproximadamente 1,7 mil milhões de estrelas e revelando detalhes inéditos da nossa Galáxia. Avista-se no horizonte uma multidão de descobertas, após este tão aguardado lançamento, que é baseado em 22 meses de mapeamento do céu. Os novos dados incluem posições, indicadores de distância e movimentos de mais de um milhar de milhão de estrelas, juntamente com medições de alta precisão de asteroides dentro do nosso Sistema Solar e estrelas além da nossa galáxia Via Láctea. A análise preliminar destes dados fenomenais revela pequenos pormenores sobre a composição da população estelar da Via Láctea e sobre como as estrelas se movem, informações essenciais para investigar a formação e evolução da nossa Galáxia de origem. “As observações coletadas por Gaia estão a redefinir os fundamentos da astronomia”, diz Günther Hasinger, Diretor de Ciência da ESA. “Gaia é uma missão ambiciosa q…

Megafusões de galáxias antigas

ALMA e APEX descobrem enormes conglomerados de galáxias em formação no Universo primordial Os telescópios ALMA e APEX investigaram o espaço profundo — numa época em que o Universo tinha apenas um décimo da sua idade atual — e observaram enormes amontoados cósmicos em formação: colisões iminentes de jovens galáxias com formação estelar explosiva. Os astrônomos pensavam que estes eventos teriam ocorrido cerca de 3 bilhões de anos após o Big Bang, por isso ficaram surpreendidos quando estas novas observações revelaram estes fenômenos acontecendo quando o Universo tinha apenas metade desta idade! Pensa-se que estes sistemas antigos de galáxias estejam construindo as maiores estruturas conhecidas no Universo: os aglomerados de galáxias.
Com o auxílio do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) e do Atacama Pathfinder Experiment (APEX), duas equipes internacionais de cientistas, lideradas por Tim Miller da Dalhousie University no Canadá e da Yale University nos EUA e Iván Oteo da U…

O buraco negro supermassivo da Via Láctea pode ter irmãos "invisíveis"

New Haven, Connecticut - Astrônomos estão começando a entender o que acontece quando os buracos negros têm o desejo de percorrer a Via Láctea.  Normalmente, um buraco negro supermassivo (SMBH) existe no núcleo de uma galáxia maciça. Mas às vezes os SMBHs podem "vagar" por toda a galáxia hospedeira, permanecendo longe do centro em regiões como o halo estelar, uma área quase esférica de estrelas e gás que circunda a seção principal da galáxia. Os astrônomos teorizam que esse fenômeno geralmente ocorre como resultado de fusões entre galáxias em um universo em expansão. Uma galáxia menor se unirá a uma galáxia principal maior, depositando sua própria central SMBH em uma órbita ampla dentro do novo hospedeiro. Em um novo estudo publicado no Astrophysical Journal Letters , pesquisadores de Yale, da Universidade de Washington, do Institut d'Astrophysique de Paris e do University College London prevêem que galáxias com uma massa semelhante à Via Láctea deveriam abrigar vários bura…

O que os topos das nuvens de Urano têm em comum com os ovos podres?

Esta imagem de um crescente de Urano, tirada pela Voyager 2 em 24 de janeiro de 1986, revela sua atmosfera gelada azul. Apesar do sobrevôo da Voyager 2, a composição da atmosfera permaneceu um mistério até agora.Crédito da imagem: NASA / JPL
O sulfeto de hidrogênio, o gás que dá a ovos podres seu odor característico, permeia a atmosfera superior do planeta Urano - como tem sido debatido por muito tempo, mas nunca definitivamente provado. Com base em observações espectroscópicas sensíveis com o telescópio Gemini North, os astrônomos descobriram o turbilhão de gases nocivos no alto das nuvens do planeta gigante. Esse resultado resolve um mistério teimoso e antigo de um de nossos vizinhos no espaço. Mesmo depois de décadas de observações e de uma visita da espaçonave Voyager 2, Urano manteve um segredo crítico, a composição de suas nuvens. Agora, um dos principais componentes das nuvens do planeta finalmente foi verificado. Patrick Irwin, da Universidade de Oxford, Reino Unido, e colaborado…

Hubble comemora 28 anos com uma “viagem” pela Nebulosa da Lagoa

Para celebrar o seu 28.º aniversário no espaço, o Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA obteve esta incrível e colorida imagem da Nebulosa da Lagoa. O todo da nebulosa, a cerca de 4000 anos-luz de distância, mede uns incríveis 55 anos-luz de largura e 20 anos-luz de altura. Esta imagem mostra apenas uma pequena fração da turbulenta região de formação estelar, com cerca de 4 anos-luz de diâmetro. Esta impressionante nebulosa foi catalogada pela primeira vez em 1654 pelo astrónomo italiano Giovanni Battista Hodierna, que tentou registar objetos nebulosos no céu noturno para que não se confundissem com cometas. Desde as observações de Hodierna, a Nebulosa da Lagoa foi fotografada e analisada por muitos telescópios e astrónomos de todo o mundo. As observações foram obtidas pelo instrumento WFC3 (Wide Field Camera 3) do Hubble entre 12 e 18 de fevereiro de 2018. Crédito: NASA, ESA, STScI
Esta nuvem colorida de gás interestelar brilhante é apenas uma pequena parte da Nebulosa da Lagoa, um v…

Encontramos evidências de que um planeta em nosso Sistema Solar foi destruído

Em 2008, a Terra foi atingida por um meteorito. Ninguém prestou muita atenção porque esse foi dos milhares de meteoritos que nos atingem o tempo todo. Um telescópio acompanhou seu progresso, enquanto ela atravessava quilômetros de nitrogênio, oxigênio e dióxido de carbono e seu exterior aquecia enquanto ele viajava pelo ar denso. Uma violenta explosão se seguiu, a 37 quilômetros do solo, enviando seus fragmentos rapidamente para as areias do Deserto da Núbia, no Sudão.
A explosão e o colapso foram apenas os momentos finais de uma jornada de bilhões de anos vagando pelo sistema solar. Agora, um novo estudo publicado na revista Nature Communications conta a incrível história de origem do meteorito. Com base nos materiais encontrados dentro dos diamantes que ele carregava, os pesquisadores acreditam que ele pode ser o remanescente de um planeta perdido ou de um embrião planetário – um corpo que ainda estava em sua infância quando o caos do sistema solar ancestral o obliterou.
Essa descober…