Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2017

NASA projeta robô para pousar em Plutão

A imagem mostra a linha de tempo de entrada em Plutão: (1) Aproximação em velocidade interplanetária de aproximadamente 50.000 km/h (14 km/s); (2) lançamento do desacelerador; (3) entrada e descida através da atmosfera; (4) separação, giro e pouso; e (6) saltos para exploração superficial.[Imagem: L. Calçada (ESO)/GAC]
Arrasto aerodinâmico
Contratada pela NASA, a empresa GAC (Global Aerospace Corporation) desenvolveu o conceito de uma sonda espacial para pousar em Plutão. Se antes ir a Plutão era uma curiosidade científica - todos os planetas já haviam sido visitados -, agora essa curiosidade aumentou muito com os resultados obtidos pela sonda New Horizons, que mostrou um planeta-anão extremamente rico em formações geológicas e com estruturas que ainda estão fazendo os cientistas coçarem a cabeça em busca de hipóteses para explicá-las.
Ao contrário da New Horizons, que apenas passou chispando por Plutão, a ideia é desacelerar usando o atrito com a fina atmosfera de Plutão e então pousar …

Cientistas detectam cometas fora do nosso sistema solar

Impressão de artista de um exocometa no sistema KIC 3542116.Crédito: Danielle Futselaar
Cientistas do MIT (Massachusetts Institute of Technology) e outras instituições, trabalhando em estreita colaboração com astrónomos amadores, avistaram as caudas poeirentas de seis exocometas - cometas para lá do nosso Sistema Solar - em órbita de uma ténue estrela a 800 anos-luz da Terra. Estas bolas cósmicas de gelo e poeira, que eram do tamanho do Cometa Halley e viajavam a cerca de 160 mil quilómetros por hora antes de se vaporizarem, são alguns dos objetos mais pequenos já encontrados fora do nosso próprio Sistema Solar.
A descoberta marca a primeira vez que um objeto tão pequeno quanto um cometa foi detetado usando fotometria de trânsito, uma técnica na qual os astrónomos observam a luz de uma estrela à procura de indicadoras quedas de intensidade. Estas diminuições assinalam trânsitos potenciais, passagens de planetas ou outros objetos em frente de uma estrela, que bloqueiam momentaneamente um…

Detectando água no espaço e por que isso importa

Água no espaço
Das nuvens aos rios, das geleiras aos oceanos, a água está em todos os lugares na Terra. O que não sabemos tão bem é qual é a abundância da molécula H2O no espaço. Ao contrário do que acontece na Terra, a maior parte da água no espaço toma a forma de vapor ou forma camadas de gelo presas nos grãos da poeira interestelar. Isso ocorre porque a densidade extremamente baixa do espaço interestelar - que é trilhões de vezes menor do que a do ar - impede a formação de água líquida.
Mas não se trata apenas de encontrar água para indicação da presença de vida. A água pode clarear áreas que não podem ser vistas diretamente. O nascimento das formações estelares pode nos dizer sobre como o Universo se comporta. Mas, como a única maneira de estudar esse processo de formação estelar em seus ambientes obscurecidos pela poeira é através da luz infravermelha, é de vital importância detectar transições da água que sejam capazes de detectar essa luz.
Transições da água
As moléculas de água ap…

Matéria escura em um universo simulado

Será que o nosso universo é um lugar assombrado? Pode parecer que sim se você olhar para esse mapa, que é uma representação da distribuição da matéria escura no universo. A gravidade da matéria escura é a principal explicação de porque as galáxias giram tão rápido, porque as galáxias orbitam dentro dos aglomerados tão rápidas, porque as lentes gravitacionais defletem tão intensamente a luz e porque a matéria visível é distribuída como é tanto no universo local como na radiação cósmica micro-ondas de fundo. A imagem acima é do Sapce show Dark Universe que acontece no Hayden Planetarium do American Museum of Natural History e destaca um exemplo de quão penetrante a matéria escura pode ser e pode assombrar o universo. 
Essa imagem na verdade é um frame de uma simulação computacional, que mostra os complexos filamentos de matéria escura, mostrados em preto, espalhados sobre o universo como se fossem teia de aranha, enquanto que aglomerações relativamente raras de matéria bariônica familiar…

DAWN encontra possíveis restos de um antigo oceano em CERES

Esta animação mostra o planeta anão Ceres, visto pela sonda Dawn da NASA. O mapa sobreposto à direita dá aos cientistas pistas sobre a estrutura interna de Ceres, graças a medições de gravidade.Crédito: NASA/JPL-Caltech/UCLA/MPS/DLR/IDA
Ceres está repleto de minerais que contêm água, sugerindo que o planeta anão poderá ter tido um oceano global no passado. O que aconteceu a esse oceano? Será que Ceres ainda tem água líquida hoje? Dois novos estudos da missão Dawn da NASA lançaram luz sobre estas questões.
A equipe da Dawn descobriu que a crosta de Ceres é uma mistura de gelo, sais e materiais hidratados que foram submetidos a atividades geológicas passadas e possivelmente recentes, e que essa crosta representa a maior parte desse antigo oceano. O segundo estudo baseia-se no primeiro e sugere que existe uma camada mais macia e facilmente deformável sob a crosta da superfície rígida de Ceres, que também pode ser a assinatura do líquido residual do oceano.
"Mais e mais, estamos a apren…

Antares espreita um Telescópio Auxiliar

Nesta imagem do Observatório do Paranal do ESO podemos ver estrelas azuis brilhantes salpicando o céu austral, enquanto o bojo galático da nossa Via Láctea se encontra visível por cima do horizonte. A imagem foi obtida no alto do Cerro Paranal no Chile, local que abriga o Very Large Telescope do ESO (VLT). Em primeiro plano vemos a cúpula aberta de um dos Telescópios Auxiliares de 1,8 metros. Os quatro Telescópios Auxiliares podem ser usados em conjunto para formar o Interferômetro do Very Large Telescope (VLTI). O plano da Via Láctea encontra-se salpicado de regiões brilhantes de gás quente. A estrela muito brilhante na direção do canto superior esquerdo da imagem é Antares — a estrela mais brilhante do Escorpião e a 15ª estrela mais brilhante do céu noturno. Crédito: ESO

Passagem da Bíblia tem o registro mais antigo de um eclipse solar

Está circulando há cerca de 2.500 anos e deve ter sido lida por milhões e milhões de pessoas. Mas a primeira menção a um eclipse solar tinha passado despercebida até agora. Em uma pesquisa que combina análise linguística de idiomas milenares, antigos escritos astronômicos da Babilônia, estelas (pedras com inscrições) do Egito dos faraós e modernos cálculos da maquinaria celeste, cientistas britânicos acreditam ter encontrado na Bíblia o primeiro registro de um eclipse solar anular.
Deixando de lado a historicidade da Bíblia, ao longo dela há muitas passagens históricas contando a evolução dos israelitas. A arqueologia e a história comparada confirmaram a existência de muitos personagens, lugares e fatos históricos, ao mesmo tempo em que descartaram muitos outros míticos. Um desses personagens é Josué, profeta tanto para judeus quanto para cristãos e muçulmanos, e caudilho e sucessor de Moisés à frente dos hebreus. Josué foi, de acordo com a tradição bíblica, aquele que finalmente conqu…

O fantasma de MIRACH

No que diz respeito aos fantasmas, o Fantasma de Mirach não é tão assustador. O Fantasma de Mirach é apenas uma galáxia apagada e difusa, bem conhecida pelos astrônomos, que é vista quase ao longo da linha de visão de Mirach, uma estrela brilhante. Centrada nesse campo estelar, Mirach, que é também conhecida como Beta Andromedae. Localizada a cerca de 200 anos-luz de distância da Terra, Mirach é uma estrela do tipo gigante vermelha, mais fria que o Sol, mas muito maior e intrinsicamente mais brilhante do que a nossa estrela. Na maioria das visões telescópicas, o brilho e os spikes de difração, tendem a esconder as coisas que se localizam perto da estrela Mirach, e isso faz com que a galáxia apagada e difusa pareça uma reflexão interna fantasmagórica da luz da estrela. Você não achou a galáxia na imagem acima, olhe novamente, ela está logo acima e a esquerda da estrela Mirach. O Fantasma de Mirach é uma galáxia catalogada como NGC 404 e estima-se que ela esteja a cerca de 10 milhões de…

NGC 7635 – Uma bolha num mar CÓSMICO

À deriva em um verdadeiro mar cósmico repleto de estrelas e gás incandescente, a aparição delicada e flutuante à esquerda do centro dessa visão de campo amplo é catalogada como NGC 7635, a Nebulosa da Bolha. Com 10 anos-luz de largura, a Nebulosa da Bolha foi soprada por ventos de uma estrela massiva. Ela localiza-se dentro de um complexo maior de nuvens de gás e poeira interestelar a cerca de 11 mil anos-luz de distância da Terra, na fronteira entre as constelações de Cepheus e Cassiopeia. Nessa bela imagem, ainda podemos ver o aglomerado estelar aberto M52 (na parte esquerda inferior), localizado a cerca de 5000 anos-luz de distância da Terra. Acima e a direita da Nebulosa da Bolha está uma região de emissão identificada como Sh2-157, também conhecida como Nebulosa da Garra. A imagem acima foi feita com 47 horas de exposição usando dados de banda larga e estreita, essa imagem se espalha por cerca de 3 graus no céu. Isso corresponde a uma largura de 500 anos-luz se considerarmos a di…

HUBBLE descobre "GALÁXIAS OSCILANTES"

Abell S1063, um enxame de galáxias, observado pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA como parte do programa Frontier Fields.A enorme massa do enxame age como uma lupa cósmica e amplia galáxias ainda mais distantes, que se tornam suficientemente brilhantes para o Hubble as observar.Crédito: NASA, ESA e J. Lotz (STScI)
Usando o Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA, os astrónomos descobriram que as galáxias mais brilhantes dentro de enxames galácticos "oscilam" em relação ao centro de massa do enxame. Este resultado inesperado é inconsistente com as previsões feitas pelo modelo padrão atual da matéria escura. Com uma análise mais aprofundada, pode fornecer informações sobre a natureza da matéria escura, talvez até indicando a presença de uma nova física. A matéria escura constitui um pouco mais que 25% de toda a matéria no Universo, mas não pode ser observada diretamente, o que a torna num dos maiores mistérios da astronomia moderna. Halos invisíveis da elusiva matéria esc…

Bela imagem da nebulosa escura LDN 183

A imagem acima mostra a Nebulosa Escura Beverly Lynds 183 localizada a cerca de 325 anos-luz de distância da Terra, vagando bem acima do plano da nossa Via Láctea. Obscurecendo a luz das estrelas atrás dela quando observada no comprimento de ondas da luz visível, a nuvem molecular escura e empoeirada, parece não ter estrela alguma. Mas no comprimento de onda do infravermelho distante é possível revelar densas aglomerações no seu interior, provavelmente estrelas nos seus primeiros estágios de formação enquanto que regiões destacadas da nuvem estão em processo de colapso gravitacional. Essa nebulosa é uma das nuvens moleculares mais próximas da Terra, e aparece na constelação da Serpens Caput. Essa bela imagem se espalha por cerca de meio grau no céu. Isso é o equivalente a 3 anos-luz na distância estimada da Nebulosa Escura Lynds 183. Fonte: NASA

Uma estrela simbiótica em Aquário

A estrela variável R Aquarii é de fato duas estrelas uma orbitando a outra com um período de cerca de 44 anos. A estrela primária é uma variável gigante vermelha, significando que ela pulsa, esses pulsos seguem mudanças na temperatura e drásticas flutuações de brilho num ciclo de cerca de 390 dias. A estrela secundária é uma anã branca que suga material da gigante vermelha. Parte do material sugado algumas vezes é ejetado, formando uma nebulosa espetacular em loop. Esse tipo de par de estrelas, ou seja, uma anã branca e uma gigante vermelha é conhecido como uma estrela simbiótica. A imagem acima foi feita com algumas imagens obtidas em diferentes comprimentos de onda pelo Telescópio Espacial Hubble. Fonte: https://cosmosmagazine.com/space/a-symbiotic-star-in-aquarius

Revelando segredos galáticos

Podemos ver inúmeras galáxias nesta enorme imagem do Aglomerado de Galáxias da Fornalha, algumas aparecendo apenas como pequenos pontos de luz, outras dominando o primeiro plano da imagem. Uma delas é a muito estudada galáxia lenticular NGC 1316, cujo passado turbulento lhe deu uma delicada estrutura de laços, arcos e anéis, da qual os astrônomos, com o auxílio do Telescópio de Rastreio do VLT, capturaram agora as imagens mais detalhadas obtidas até hoje. Esta imagem profunda revela uma miríade de objetos fracos, além da tênue radiação intra-aglomerado.
Capturada com o auxílio das capacidades excepcionais de mapeamento do céu do Telescópio de Rastreio do VLT (VST), instalado no Observatório do Paranal do ESO no Chile, esta imagem profunda revela os segredos dos membros luminosos do aglomerado da Fornalha, um dos aglomerados de galáxias mais ricos e próximos da Via Láctea. Esta imagem de 2,3 bilhões de pixels é uma das maiores divulgadas até hoje pelo ESO.
Talvez o membro mais interessa…

Marius Hills e um furo na lua

Poderiam os seres humanos viverem na subsuperfície da Lua? Essa intrigante possibilidade foi cogitada quando a sonda japonesa SELENE em 2009 fez imagens de um curioso buraco na região de Marius Hills na Lua, possivelmente esse buraco seria um tubo de lava. Observações posteriores feitas com a sonda LRO da NASA, indicaram que o Buraco de Marius Hills, se estendia por aproximadamente 100 metros, e tinha alguns metros de largura. 
Mais recentemente, usando dados de radar de penetração de solo, o famoso GPR da sonda SELENE, uma série de feições foram reanalisadas, e nessa nova análise, pôde-se comprovar que em Marius Hilss existe sim um tubo de lava que se estende por quilômetros e tem quilômetros de largura, ou seja, caberia dentro dele casas e até prédios. Esses tubos poderiam proteger uma possível colônia lunar das grandes variações de temperatura, de impactos asteroides e da mortífera radiação solar. 
Potencialmente, esses tubos de lava poderiam até ser selados para poder conter ar que …

Arqueologia cósmica

Essa imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA está repleta de galáxias, cada ponto brilhante na imagem é uma galáxia diferente, lógico com exceção para o brilhante flash no meio da imagem, que na verdade é uma estrela localizada na nossa galáxia. No centro da imagem está algo especialmente interessante, o centro do massivo aglomerado de galáxias conhecido como WHL J24.3324-8.477, incluindo a galáxia mais brilhante do aglomerado.
O universo contém estruturas de várias escalas, planetas ao redor de estrelas, estrelas que se aglomeram e formam galáxias, galáxias que se aglomeram e formam grupos de galáxias, e grupos de galáxias que se juntam em aglomerados. Aglomerados de galáxias contêm centenas de milhares de galáxias, unidas pela gravidade. A matéria escura e a energia escura tem um papel fundamental na formação e na evolução desses aglomerados, assim estudar os aglomerados massivos de galáxias, pode ajudar os cientistas a revelarem os mistérios desses elusivos fenômenos.
Es…

Tabela periódica mostra de onde, no universo, veio cada elemento

A tabela periódica com códigos coloridos mostra os melhores palpites dos cientistas sobre a origem nuclear de todos os elementos conhecidos. Ela foi publicada como “imagem do dia” pelo site da NASA, no dia 24 de outubro. A cor azul significa fusão no Big Bang; a verde mostra elementos produzidos por estrelas de massa baixa que estavam morrendo; a cor amarela é para elementos criados por estrelas massivas que explodiram; a rosa é para a fissão de raios cósmicos; a lilás para a união de estrelas de nêutron; e a cinza para estrelas anãs brancas que explodiram. O hidrogênio no seu corpo, presente em cada molécula de água, veio do Big Bang. Não há outra fonte de hidrogênio no universo. Já o carbono do seu corpo foi feito pela fusão nuclear que acontece no interior de estrelas, assim como o oxigênio. Já a maioria do ferro das suas hemoglobinas foi produzido em estrelas supernovas há muito tempo e muito longe daqui.  O ouro das joias foi provavelmente feito a partir das estrelas de nêutron q…

O universo nem deveria existir, de acordo com a descoberta bizarra

Ao que tudo indica, nosso universo não deveria existir. Quando o universo surgiu, de acordo com o modelo padrão da física, havia quantidades iguais de matéria e antimatéria nele. Uma vez que essas substâncias se cancelam, o universo deveria ter se destruído imediatamente.  Alguns dos melhores cientistas do mundo já tentaram, mas não conseguiram explicar por que isso não aconteceu. O que as equipes de pesquisa têm feito é procurar por qualquer diferença entre a matéria e a antimatéria, que sugerisse por que elas não se aniquilaram assim que entraram em contato.
Simetria
O novo estudo, realizado pela Organização Europeia para Pesquisa Nuclear (CERN, na sigla em inglês), testou uma série de possibilidades, incluindo massa e carga elétrica, para encontrar essa diferença.
Todas as nossas observações encontraram uma simetria completa entre matéria e antimatéria, razão pela qual o universo não deveria existir. Uma assimetria deve existir em algum lugar, mas simplesmente não entendemos onde está …

É maluquice querer ir a Marte antes de colonizar a Lua?

A construção de uma base lunar está ganhando força entre as agências espaciais.[Imagem: ESA]
Bases lunares
Em um bem-vindo surto de realismo, as agências espaciais e as empresas privadas de foguetes parecem ter decidido apoiar planos para a construção de bases lunares. A boa notícia é que isto aparentemente joga para mais longe a ideia entusiasmante, mas frágil e um tanto absurda, de tentar colonizar Marte antes da Lua. Tem havido sérias dúvidas sobre o objetivo declarado pela NASA de levar humanos ao Planeta Vermelho primeiro, na década de 2030 - dúvidas tanto técnicas quanto orçamentárias. E um projeto para retornar à Lua seria muito mais barato e viável sob todos os aspectos. A ideia de priorizar a ida de astronautas a Marte tem sido favorecida há uma década, quando alguns especialistas espaciais começaram a defender a noção pouco convincente de explorar Marte antes da Lua. Mas a noção é, no mínimo, estranha: Por que deveríamos deixar de aprender a viver em outro mundo na nossa vizinh…