Um Aglomerado Estelar Massivo e Escondido Inundado com Estrelas Supergigantes Vermelhas

 
O céu é como uma caixa de joias cheio de estrelas brilhantes que podem ser vistas nessa imagem em infravermelho. O detalhe da imagem é formado por 14 estrelas localizadas na fronteira de explodirem como supernovas. Essas estrelas residem no mais massivo aglomerado estelar da Via Láctea. O aglomerado azulado dentro da caixa branca na imagem maior, mostra a região estelar estudada ao redor. Essas grandes estrelas são uma pista sobre a massa do jovem aglomerado. Os astrônomos estimam que o aglomerado é no mínimo 20000 vezes mais massivo que o Sol. Cada estrela supergigante vermelha é aproximadamente 20 vezes mais massiva que o Sol.

A composição colorida maior foi feita pelo Telescópio Espacial Spitzer para o projeto Galactic Legacy Infrared Mid-Plane Survey Extraordinaire (GLIMPSE). A pesquisa penetrou a poeira escura através do espesso disco da nossa galáxia para revelar estrelas e aglomerados estelares nunca antes vistos. As falsas cores na imagem correspondem às emissões de luz infravermelha. As estrelas na composição maior aparecem todas em azul pois elas emitem a maior parte da sua luz infravermelha nos comprimentos de onda mais curtos. A imagem em detalhe, é um composição em cor falsa, e foi registrada pelo projeto Two Micron All Sky Survey, ou 2MASS.

Os astrônomos identificaram o aglomerado como um potencial gigantesco objeto após tê-lo escolhido no catálogo do 2MASS. Eles então usaram o Infrared Multi-object Spectrograph localizado no Observatório Nacional de Kitt Peak no Arizona para analisar as cores do aglomerado. Dessa análise, eles descobriram as estrelas supergigante vermelhas. Eles confirmaram o pedigree das estrelas supergigantes estudando as cores de outras supergigantes em dados coletados pelo Telescópio Espacial Spitzer. O aglomerado localiza-se a 18900 anos-luz de distância na direção da constelação de Scutum.

Ele é o primeiro na pesquisa de 130 potenciais aglomerados estelares massivos na Via Láctea que os astrônomos irão estudar nos próximos cinco anos usando uma grande variedade de telescópios, incluindo o Sptitzer e o Hubble. A imagem do Spitzer foi feita em 4 de Abril de 2004, a imagem do 2MASS foi feita em 4 de Julho de 1999. A equipe científica que estudou o aglomerado estelar consiste de: Don Figer, Space Telescope Science Institute/Rochester Institute of Techology; John MacKenty, Massimo Robberto, e Kester Smith, Space Telescope Science Institute; Francisco Najarro, Instituto de Estructura de la Materia em Madrid, Espanha: Rolf Kudritzki, University of Hawaii em Honolulu; e Artemio Herrero, Universidad de La Laguna in Tenerife, Espanha.
Fonte: Ciência e Tecnologia - http://cienctec.com.br/wordpress/?p=7497

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Conheça as 10 estrelas mais próximas da Terra