14 de janeiro de 2011

VISTA Perscruta as Profundezas da Lagoa Azul

Esta nova visão de infravermelho da região de formação estelar Messier 8, muitas vezes chamado de Nebulosa da Lagoa, foi capturada pelo telescópio Vista em Paranal do ESO, no Chile. Esta imagem a cores foi criado a partir de imagens obtidas com J, H e Ks filtros de infravermelho próximo, e que foram adquiridos como parte de uma pesquisa ampla das partes centrais da Via Láctea. O campo de visão é cerca de 34 por 15 minutos de arco.
 
Esta nova imagem infravermelha da Nebulosa da Lagoa foi obtida num estudo da Via Láctea que durará 5 anos e que está a ser realizado com o telescópio VISTA do ESO instalado no Observatório do Paranal, no Chile. Esta é uma pequena parte duma imagem muito maior da região que rodeia a nebulosa, a qual é por sua vez apenas uma parte dum enorme rastreio. Os astrónomos utilizam actualmente o telescópio VISTA (acrónimo do inglês Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy) do ESO para esquadrinhar as regiões centrais da Via Láctea procurando objectos variáveis e mapeando a sua estrutura com um detalhe sem precedentes.
 
Este enorme rastreio chama-se Variáveis VISTA na Via Láctea (VVV) . A nova imagem infravermelha aqui apresentada foi obtida como parte deste programa. Nela podemos observar a maternidade estelar chamada Nebulosa da Lagoa (também conhecida como Messier 8, a qual se situa a cerca de 4000 - 5000 anos-luz de distância na constelação de Sagitário. As observações infravermelhas permitem aos astrónomos espreitar por trás dos véus de poeira que impedem as observações no visível de objectos celestes. Isto deve-se ao facto da radiação visível, que tem um comprimento de onda aproximadamente do mesmo tamanho das partículas de poeira, ser fortemente dispersada, enquanto que a radiação infravermelha com um comprimento de onda superior consegue passar através da poeira mantendo-se praticamente inalterada.
 
O VISTA, com o seu espelho de 4.1 metros de diâmetro - é o maior telescópio de rastreio do mundo - dedica-se ao mapeamento de grandes áreas do céu no infravermelho próximo, de forma rápida e profunda. Está por isso idealmente adaptado para estudar a formação estelar. As estrelas formam-se tipicamente em grandes nuvens moleculares de gás e poeira, as quais colapsam sob o seu próprio peso. No entanto, a Nebulosa da Lagoa alberga igualmente alguns dos chamados glóbulos de Bok, regiões muito mais compactas de gás e poeira em colapso gravitacional.
 
 Estas nuvens escuras são tão densas que, mesmo no infravermelho, conseguem bloquear a radiação das estrelas de fundo. Mas a característica mais famosa da nebulosa, donde inclusivamente lhe provém o nome, é a estreita região de poeira em forma de lagoa que se entrelaça por entre a nuvem de gás brilhante. As estrelas jovens quentes, que irradiam fortemente no ultravioleta, são responsáveis pelo intenso brilho da nebulosa. Mas a Nebulosa da Lagoa alberga também estrelas muito mais jovens. Estrelas acabadas de nascer foram detectadas na nebulosa, tão jovens que se encontram ainda rodeadas pelos seus discos de acrecção natais. Estrelas tão jovens ejectam ocasionalmente jactos de matéria  dos seus pólos. Quando este material ejectado atinge o gás circundante formam-se os objectos Herbig-Haro, rastos brilhantes e de curta duração, o que torna as estrelas recém-nascidas facilmente detectáveis. Nos últimos cinco anos foram detectados vários objectos Herbig-Haro na Nebulosa da Lagoa, o que quer dizer que o bebé boom ainda está em progresso.
Fonte: www.eso.org  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você achou interessante essa postagem deixe seu comentario!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Artigos Mais Lidos