Pular para o conteúdo principal

Ceres: imagens a partir da órbita mais baixa da Dawn



pia20186_main-1041
A sonda Dawn da NASA, está no curso da sua órbita final e mais baixa ao redor do planeta anão Ceres, e já enviou as primeiras imagens deste ponto de vista privilegiado. As novas imagens mostram detalhes de uma superfície repleta de crateras e fraturas. Uma versão tridimensional dessas imagens também está disponível. A Dawn, fez essas imagens do hemisfério sul de Ceres, no dia 10 de Dezembro de 2015, a uma altitude aproximada de 385 km, que é o ponto mais baixo da sua órbita. A Dawn permanecerá nessa altitude pelo resto da missão e indefinidamente. A resolução das novas imagens é de cerca de 35 metros por pixel.

Entre as magníficas imagens está uma cadeia de crateras, chamada de Gerber Catena, localizada a oeste de uma grande cratera, a Cratera Urvara. Vales são feições comuns em grandes corpos planetários, e são causados pela contração, pela tensão gerada nos impactos e pelo carregamento da crosta por grandes montanhas – o Monte Olympus em Marte é um exemplo disso. O faturamento observado em Ceres indica que processos similares podem estar ocorrendo ali, apesar de seu tamanho. Ceres tem um diâmetro médio de 940 quilômetros. Muitos dos vales e das ranhuras em Ceres, foram, provavelmente formadas como o resultado de impactos, mas uma parte parece ser tectônica, refletindo a tensão interna que quebra a crosta.
pia20188

“Por que elas são tão proeminentes é algo que ainda não está totalmente entendido, mas elas estão muito provavelmente relacionadas com a estrutura crustal complexa de Ceres”, disse Paul Schenk, um membro da equipe de ciência da sonda Dawn no Lunar and Planetary Institute em Houston. As imagens foram feitas como parte de um teste realizado com a câmera de backup da sonda Dawn. A câmera primária, que é essencialmente idêntica, começou sua campanha de imageamento de Ceres desde a órbita baixa no dia 16 de Dezembro de 2015. Ambas as câmeras estão funcionando bem.
pia20187c
Os outros instrumentos da sonda Dawn, também começaram seu intenso período de observações esse mês. O Visible and Infrared Mapping Spectrometer, ajudará a identificar os minerais, observando como os vários comprimentos de onda da luz são refletidos na superfície de Ceres. O Gamma Ray and Neutron Detector também está ativo. Medindo as energias e o número de raios gamma e nêutrons, dois componentes da radiação nuclear, ele ajudará os cientistas a determinarem as abundâncias de certos elementos em Ceres. Mais cedo no mês de Dezembro, os cientistas revelaram que o material brilhante encontrado em algumas crateras de Ceres, como Occator, é consistente com sal – e propuseram que um tipo de sulfato de magnésio, chamado de hexaidrita, pode estar presente.

 Um grupo diferente de cientistas da Dawn, descobriram que Ceres também contém compostos argilosos ricos em amônia. Pelo fato da amônia ser abundante no Sistema Solar externo, essa descoberta sugere que Ceres pode ter se formado nas vizinhanças de Netuno e migrado para a sua posição, ou formado num local com material que migrou do Sistema Solar externo. À medida que fizermos imagens de alta resolução de Ceres, nós continuaremos a examinar nossas hipóteses e descobrir mais surpresas sobre esse mundo misterioso”, disse Chris Russell, principal pesquisador da missão Dawn, baseado na Universidade da Califórnia, Los Angeles.
pia20184

A Dawn é a primeira missão a visitar um planeta anão, e a primeira missão fora do sistema Terra-Lua a orbitar dois corpos distintos no Sistema Solar. Ela orbitou o protoplaneta Vesta por 14 meses de 2011 a 2012, e chegou em Ceres no dia 6 de Março de 2015. A missão da sonda Dawn é gerenciada pelo Laboratório de Propulsão a Jato para o Science Mission Directorate da NASA em Washington. A Dawn é um projeto do Discovery Program, gerenciado pelo Marshall Space Flight Center em Huntsville, no Alabama. A UCLA é responsável pela missão científica geral da Dawn. A empresa Orbital ATK Inc., em Dulles, Virginia, desenhou e construiu a sonda. O German Aerospace Center, o Max Planck Insitute for Solar System Research, a Italian Space Agency, e o Italian National Astrophysical Institute, são parceiros internacionais na equipe da missão. Para uma lista completa dos participantes da missão.
pia20185

Comentários

  1. Cara, Ceres e um objeto fascinante. O que acho legal, alem de toda a historia atrelada a esse "pequeno grande mundo", e a cor ligeiramente dourada com a qual podemos ve-lo atraves de telescopios menores. Bom post. Que tal um post sobre a estrela variavel Mira? E um alvo acessivel a olho nu e com mudancas notaveis ate por pessoas sem muito aprofundamento no assunto. Abracos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Se você achou interessante essa postagem deixe seu comentario!

Postagens mais visitadas

Tipos de Estrelas

Anã branca: Estrela pequena e quente, que se acredita assinalar o estágio final de evolução de uma Estrela como o Sol. Uma Anã branca é mais ou menos do tamanho da Terra, embora contenha tanta matéria quanto o Sol. Essa matéria compacta é tão densa que um dedal dela pesaria uma tonelada ou mais. As Anãs brancas são tão fracas que mesmo as mais próximas de nós, que giram em torno de Sirius e de Procyon, só são vistas com telescópio. 
Anã vermelha: Estrela fria e fraca, de massa menor que a do Sol. As Anãs vermelhas são provavelmente as Estrelas mais abundantes em nossa galáxia, embora seja difícil observá-las em virtude de seu brilho fraco. Mesmo as Anãs vermelhas mais próximas, Próxima Centauri e a Estrela de Barnard, são invisíveis sem telescópio. 
Anã Marron: É um corpo celeste cuja massa é pequena demais para que ocorra uma fusão nuclear em seu núcleo, a temperature e a pressão do núcleo são insuficientes para que a fusão aconteça. Por isso, não pode ser considerada realmente uma est…

Conheça as 10 estrelas mais próximas da Terra

O sol é uma estrela entre milhões na nossa galáxia. Mas muitas outras estrelas próximas existem, inseridas nos seus próprios sistemas e possivelmente algumas delas até terão planetas a orbitá-las. A presente lista detalha as 10 estrelas mais próximas das Terra, cada uma com o seu próprio sistema solar e algumas pertencendo a sistemas binários. Algumas delas são anãs vermelhas, sendo que possuem uma magnitude tão baixa que apesar da sua proximidade à Terra não as conseguimos ver a olho nu. 1. O Sol Distância: 8 minutos/luz Obviamente, a estrela mais próxima da Terra é a estrela central no nosso sistema solar, nomeadamente o nosso sol. Ele ilumina diretamente a Terra durante o dia e é responsável pelo brilho da Lua durante a noite. Sem o Sol, a vida como a conhecemos não existiria aqui na Terra. 2. Alpha Centauri Distância: 4,24 anos-luz Alpha Centauri é na verdade um sistema composto por três estrelas. As estrelas principais no sistema de Alpha Centauri, chamadas de Alpha Centauri A e Alp…

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Mercúrio é um planeta seco, quente e quase não tem ar. O planeta fica a quase 58 milhões de quilômetros do Sol e não tem lua nem atmosfera. Fica tão perto do Sol que as temperaturas da superfície podem chegar a 430oC. Assim como a Lua, o planeta é coberto por uma camada fina de minerais. Mercúrio também tem áreas de terra amplas e planas, precipícios e muitas crateras profundas como as da Lua. Cientistas dizem que o interior de Mercúrio e da Terra é feito de ferro.

Vênus é o segundo planeta mais próximo do Sol e é quase do mesmo tamanho da Terra. A superfície do planeta é cheia de montanhas, vulcões, cânions e crateras. O planeta é coberto por nuvens de ácido sulfúrico, uma substância mortal. Vênus também é um planeta muito quente: a temperatura na superfície é de 460oC. Os cientistas enviaram uma nave para explorar o planeta. A primeira a sonda passar perto do planeta foi a Mariner 2, em 1962.

A Terra é o terceiro mais próximo do Sol e o maior dos quatro planetas rochosos. É uma esfera…

Espaço sideral

Espaço sideral é todo o espaço do universo não ocupado por corpos celestes e suas eventuais atmosferas. É a porção vazia do universo, região em que predomina o vácuo. O termo também pode ser utilizado para se referir a todo espaço que transcende a atmosfera terrestre.
Conceituações
Em astronomia, usa-se a denominação "espaço externo" ou "espaço sideral" para fazer referência a todo espaço que transcende o espaço englobado pela atmosfera terrestre. O espaço sideral é frequentemente subdividido em três subespaços:
1.Espaço interplanetário designação usada sobretudo para se referir aos espaços existentes entre os planetas do nosso próprio sistema solar. Por extensão, inclui as distâncias entre os eventuais planetas de qualquer sistema estelar, inclusive o nosso.
2.Espaço interestelar designação usada para se referir às porções de quasi-vácuo existentes entre as estrelas. Refere-se sobretudo aos espaços entre as estrelas da nossa própria galáxia: a Via Láctea.
3.Espaço inte…

23 curiosidades sobre o universo.

O universo e a astronomia já são fascinantes por si só, mas entre grandes descobertas, imagens fantásticas e fatos surpreendentes, existem curiosidades muito interessantes para todos os entusiastas. Neste artigo reunimos as 23 curiosidades que achamos mais interessantes para partilhar. Algumas são do conhecimento geral, mas relembrar é bom para o conhecimento cientifico do que nos rodeia.
1. A Terra pesa 5 980 000 000 000 000 000 000 000 kg; 2. Se estás a tentar decorar o nome das estrelas, começa por esta: Torcularis Septentrionalis. Não consegues pronunciar, mas também não consegues esquecer; 3. Um carro a 160km/h demoraria 221 000 milhões de anos a chegar ao centro da Via Láctea; 4. O Universo expande-se cerca de 1,6 biliões de km por hora; 5. Os astronautas não podem chorar. Não que seja lei, mas porque não existe gravidade para que as lágrimas possam escorrer; 6. As interferências nas televisões são provocadas pelas ondas do Big Bang no início do Universo; 7. A constelação do Cruzeiro …

Como surgiram as galáxias

Nos últimos anos, nossa visão do universo passou por grandes transformações. Uma delas é que os pesquisadores descobriram que ele está se expandindo muito e é povoado por uma infinidade de corpos celestes. Isso porque no começo do século passado, todos acreditavam que a Via Láctea era a única galáxia do universo, apesar de avistarem outras, acreditavam que fazia parte da nossa galáxia. Mas no ano de 1924, Edwin Hubble deu uma luz na situação, e provou que existem centenas de bilhões de galáxias, muito mais do que se imaginava, e que elas estavam se distanciando entre si, todas estavam se afastando de nós. Isso levantou muitas questões a respeito de que estávamos no centro do universo, mas esse é tema para outro artigo. Mas então se essas galáxias estão se afastando cada vez mais, é de se imaginar que um dia elas estavam mais unidas. E voltando ainda mais no tempo, estavam todas amontoadas num único ponto, o Big Bang. Mas o assunto de hoje é como elas surgiram. Se o universo está se exp…