Pular para o conteúdo principal

Noites nubladas e dias ensolarados nos distante júpiteres quentes

Esta ilustração representa como os Júpiteres quentes de temperaturas diferentes e composições de nuvens diferentes podem aparecer a quem voa por cima do lado diurno destes planetas numa nave espacial, com base em modelos de computador.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/Universidade do Arizona/V. Parmentier

A previsão meteorológica para planetas distantes e quentes denominados "Júpiteres quentes" pode ser algo como isto: noites nubladas e dias ensolarados, com uma temperatura máxima de 1300 graus Celsius. Estes mundos misteriosos estão demasiado longe para podermos observar nuvens nas suas atmosferas. Mas um estudo recente usando o Telescópio Espacial Kepler da NASA e técnicas de modelagem por computador encontou pistas de onde essas nuvens se podem reunir e da sua provável composição. O estudo foi publicado na revista The Astrophysical Journal e está disponível online. Os Júpiteres quentes, entre os primeiros dos milhares de exoplanetas (planetas para lá do nosso Sistema Solar) descobertos na nossa Galáxia até agora, orbitam as suas estrelas tão intimamente que estão perpetuamente "torriscados". E enquanto isso pode desencorajar os turistas galácticos, o estudo representa um avanço importante na compreensão da estrutura das atmosferas alienígenas.

Dias intermináveis, noites intermináveis
Os Júpiteres quentes têm bloqueio de marés, o que significa que um lado do planeta está sempre voltado para a estrela e o outro está sempre em escuridão. Na maioria dos casos, o "lado diurno" está largamente livre de nuvens e o "lado noturno" é fortemente nublado, deixando céus parcialmente nublados na zona intermédia. A formação de nuvens é muito diferente da que conhecemos no Sistema Solar," afirma Vivien Parmentier, investigador da Universidade do Arizona, em Tucson, EUA, autor principal do estudo. Um "ano" neste género de planetas pode equivaler a apenas alguns dias terrestres. Num Júpiter quente mais "frio" poderão existir temperaturas de 1300º C. Mas as condições extremas dos Júpiteres quentes trabalham a favor dos cientistas. O contraste da radiação noite-dia é, de facto, fácil de modelar," afirma Parmentier. "[Os Júpiteres quentes] são muito mais fáceis de modelar do que o próprio Júpiter."

Um eclipse, depois "blips"
Os cientistas criaram pela primeira vez uma variedade de Júpiteres quentes e idealizados usando modelos de circulação global - versões mais simples do tipo de modelos computacionais usados para simular o clima da Terra. Em seguida, compararam os modelos com a luz detetada pelo Kepler a partir de Júpiteres quentes reais. O Kepler, que opera agora na sua missão K2, foi construído para registar o extremamente pequeno mergulho na luz estelar quando um planeta passa em frente da sua estrela, evento a que chamamos "trânsito". Mas, neste caso, os cientistas focaram-se nas "curvas de fase" dos planetas, ou mudanças na luz à medida que o planeta passa por fases, como a Lua da Terra.

A combinação dos Júpiteres quentes modelados com as curvas de fase de Júpiteres quentes reais revelou quais as curvas provocadas pelo aquecimento do planeta e quais as curvas provocadas por luz refletida pelas nuvens na atmosfera. Combinando os dados do Kepler com modelos de computador, os cientistas foram capazes de, pela primeira vez, inferir padrões globais de nuvens nestes mundos distantes.

Isto permitiu com que a equipa tirasse conclusões sobre as diferenças do vento e da temperatura nos Júpiteres quentes que estudaram. Pouco antes dos planetas mais quentes passarem por trás das suas estrelas - uma espécie de eclipse - um pequeno "blip" na curva de luz visível do planeta revelou um "ponto quente" no lado oriental do planeta. E em planetas eclipsados mais frios, foi observado um "blip" logo após o planeta surgir novamente do outro lado da estrela, desta vez no lado ocidental do planeta. O "blip" inicial nos mundos mais quentes revela que fortes ventos estavam a empurrar as zonas mais quentes e sem nuvens da atmosfera, normalmente encontradas diretamente sob a sua estrela, para este.

Enquanto isso, em mundos frios, as nuvens agrupam-se e refletem mais luz no lado mais "frio" e ocidental do planeta, dando origem ao "blip" pós-eclipse. Nós estamos a afirmar que o oeste do lado diurno do planeta é mais nublado que o este," explica Parmentier. Embora este padrão intrigante já tenha sido visto antes, esta investigação foi a primeira a estudar todos os Júpiteres quentes que exibem este comportamento. Isto levou a outro marco importante. Ao descobrirem como é que as nuvens estão distribuídas, o que está intimamente ligado com a temperatura global do planeta, os cientistas foram capazes de determinar a provável composição das nuvens.

Basta adicionar manganês, e mexer
Os Júpiteres quentes têm uma temperatura demasiado alta para a existência de nuvens de vapor de água como cá na Terra. Em vez disso, as nuvens desses planetas são provavelmente formadas à medida que os vapores exóticos se condensam para formar minerais, compostos químicos como o óxido de alumínio, ou até metais como ferro. A equipa científica descobriu que as nuvens de sulfeto de manganês provável ente dominam os Júpiteres quentes mais "frios", enquanto as nuvens de silicatos prevalecem a temperaturas mais elevadas. Nesses planetas, os silicatos provavelmente "chovem" para o interior do planeta, desaparecendo da atmosfera observável.

Por outras palavras, a temperatura média de um planeta, que depende da distância à estrela, governa os tipos de nuvens que aí se podem formar. Isto leva a que diferentes planetas formem tipos diferentes de nuvens. A composição das nuvens muda com a temperatura do planeta," comenta Parmentier. "As curvas de luz contam a história da composição das nuvens. É superinteressante, porque a composição das nuvens é, de outra forma, muito difícil de obter."

Os novos resultados também mostram que as nuvens não são distribuídas uniformemente nos Júpiteres quentes, ecoando os resultados anteriores do Telescópio Espacial Spitzer da NASA que sugerem que partes diferentes dos Júpiteres quentes têm temperaturas muito diferentes.

As novas descobertas surgem perto do 21.º aniversário do início da caça aos exoplanetas. No dia 6 de outubro de 1995, uma equipa suíça anunciou a descoberta de 51 Pegasi b, um Júpiter quente que foi o primeiro planeta confirmado em órbita de uma estrela parecida com o Sol. Parmentier e a sua equipa esperam que as suas informações sobre as nuvens nos Júpiteres quentes possam trazer uma compreensão mais detalhada sobre as atmosferas e química dos Júpiteres quentes, um dos principais objetivos dos estudos atmosféricos dos exoplanetas.


Comentários

Postagens mais visitadas

Espaço sideral

Espaço sideral é todo o espaço do universo não ocupado por corpos celestes e suas eventuais atmosferas. É a porção vazia do universo, região em que predomina o vácuo. O termo também pode ser utilizado para se referir a todo espaço que transcende a atmosfera terrestre.
Conceituações
Em astronomia, usa-se a denominação "espaço externo" ou "espaço sideral" para fazer referência a todo espaço que transcende o espaço englobado pela atmosfera terrestre. O espaço sideral é frequentemente subdividido em três subespaços:
1.Espaço interplanetário designação usada sobretudo para se referir aos espaços existentes entre os planetas do nosso próprio sistema solar. Por extensão, inclui as distâncias entre os eventuais planetas de qualquer sistema estelar, inclusive o nosso.
2.Espaço interestelar designação usada para se referir às porções de quasi-vácuo existentes entre as estrelas. Refere-se sobretudo aos espaços entre as estrelas da nossa própria galáxia: a Via Láctea.
3.Espaço inte…

Conheça as 10 estrelas mais próximas da Terra

O sol é uma estrela entre milhões na nossa galáxia. Mas muitas outras estrelas próximas existem, inseridas nos seus próprios sistemas e possivelmente algumas delas até terão planetas a orbitá-las. A presente lista detalha as 10 estrelas mais próximas das Terra, cada uma com o seu próprio sistema solar e algumas pertencendo a sistemas binários. Algumas delas são anãs vermelhas, sendo que possuem uma magnitude tão baixa que apesar da sua proximidade à Terra não as conseguimos ver a olho nu. 1. O Sol Distância: 8 minutos/luz Obviamente, a estrela mais próxima da Terra é a estrela central no nosso sistema solar, nomeadamente o nosso sol. Ele ilumina diretamente a Terra durante o dia e é responsável pelo brilho da Lua durante a noite. Sem o Sol, a vida como a conhecemos não existiria aqui na Terra. 2. Alpha Centauri Distância: 4,24 anos-luz Alpha Centauri é na verdade um sistema composto por três estrelas. As estrelas principais no sistema de Alpha Centauri, chamadas de Alpha Centauri A e Alp…

Tipos de Estrelas

Anã branca: Estrela pequena e quente, que se acredita assinalar o estágio final de evolução de uma Estrela como o Sol. Uma Anã branca é mais ou menos do tamanho da Terra, embora contenha tanta matéria quanto o Sol. Essa matéria compacta é tão densa que um dedal dela pesaria uma tonelada ou mais. As Anãs brancas são tão fracas que mesmo as mais próximas de nós, que giram em torno de Sirius e de Procyon, só são vistas com telescópio. 
Anã vermelha: Estrela fria e fraca, de massa menor que a do Sol. As Anãs vermelhas são provavelmente as Estrelas mais abundantes em nossa galáxia, embora seja difícil observá-las em virtude de seu brilho fraco. Mesmo as Anãs vermelhas mais próximas, Próxima Centauri e a Estrela de Barnard, são invisíveis sem telescópio. 
Anã Marron: É um corpo celeste cuja massa é pequena demais para que ocorra uma fusão nuclear em seu núcleo, a temperature e a pressão do núcleo são insuficientes para que a fusão aconteça. Por isso, não pode ser considerada realmente uma est…

Os 7 elementos do universo

Fogo, terra, água e ar. Os filósofos gregos do século 6 a.C. acreditavam que esses 4 elementos formavam tudo o que existe. E eles não estavam tão errados assim. Hoje sabemos que você, as pedras, as estrelas, os seres extraterrestres ou qualquer outra coisa que dê para imaginar são o resultado de alguns poucos ingredientes, e da forma como eles interagem entre si. Para entender isso melhor, dê uma olhada para o seu dedo aí ao lado, que está segurando esta revista. Ele é composto de 99,9% de vazio. Não toca nada.

O que mantém esta revista na sua mão são partículas insanamente pequenas trocadas freneticamente entre os átomos dos seus dedos e os do papel. Os próprios átomos são menores do que manda o bom senso. Quer ver? Então olhe de novo para o seu dedo e observe a cutícula. Estique mentalmente esse pedacinho de pele até que ele fique do tamanho de um prédio de 100 andares. Se isso acontecesse, o átomo ficaria com a espessura de uma folha de papel. Acredite se quiser, nesse espaço exíguo…

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Mercúrio é um planeta seco, quente e quase não tem ar. O planeta fica a quase 58 milhões de quilômetros do Sol e não tem lua nem atmosfera. Fica tão perto do Sol que as temperaturas da superfície podem chegar a 430oC. Assim como a Lua, o planeta é coberto por uma camada fina de minerais. Mercúrio também tem áreas de terra amplas e planas, precipícios e muitas crateras profundas como as da Lua. Cientistas dizem que o interior de Mercúrio e da Terra é feito de ferro.

Vênus é o segundo planeta mais próximo do Sol e é quase do mesmo tamanho da Terra. A superfície do planeta é cheia de montanhas, vulcões, cânions e crateras. O planeta é coberto por nuvens de ácido sulfúrico, uma substância mortal. Vênus também é um planeta muito quente: a temperatura na superfície é de 460oC. Os cientistas enviaram uma nave para explorar o planeta. A primeira a sonda passar perto do planeta foi a Mariner 2, em 1962.

A Terra é o terceiro mais próximo do Sol e o maior dos quatro planetas rochosos. É uma esfera…

Escuridão do Espaço - Por que o Espaço é Escuro?

Porqueo espaço é escuro? Uma questão, que parece simples, porém é realmente muito difícil de responder! É uma pergunta que muitos cientistas ponderaram por muitos séculos – incluindo Johannes Kepler, Edmond Halley, e médico-astrônomo alemão Wilhelm Olbers. Há duas questões que temos que considerar aqui, vamos começar é pela primeira e mais simples delas: Por que o céu é azul durante o dia aqui na Terra? Essa é uma pergunta que podemos responder facilmente. O céu diurno é azul porque a luz das moléculas próximas ao sol bate na atmosfera da Terra e é espalhada em todas as direções. A cor azul do céu é um resultado deste processo de espalhamento. À noite, quando essa parte da Terra está de costas para o Sol, o espaço parece negro porque não existe uma fonte próxima brilhante de luz, como o Sol, para ser espalhada. Se você estivesse na Lua, que não tem atmosfera alguma, o céu noturno seria negro e o diurno também. Você pode ver isso em fotografias tiradas durante a missão Apollo. Agora vam…