4 de abril de 2018

Evidência do Big Bang pode desaparecer em 1 trilhão de anos

Enquanto os astrônomos estão muito confusos com a questão de como o universo começou, eles provavelmente deveriam se apressar e descobrir. No futuro distante, a maior parte da evidência terá desaparecido há muito tempo, sugere um novo estudo.
Embora os futuros astrônomos provavelmente tenham o benefício da tecnologia avançada e uma compreensão mais sofisticada da física, eles não serão capazes de aproveitar os últimos vestígios de evidências remanescentes do Big Bang . Os sinais de rastreamento da explosão que colocou o universo em movimento 13,7 bilhões de anos atrás provavelmente desaparecerão em 1 trilhão de anos, segundo os pesquisadores. (Na verdade, nessa época, nossa própria galáxia Via Láctea teria colidido com seu vizinho, Andromeda, para criar a galáxia Milkomeda.)  
No entanto, os pesquisadores identificaram algumas pistas de apoio que nossos descendentes distantes (se a humanidade ainda estiver por perto) poderiam usar para traçar a história do universo.   
Um momento de sorte
Os astrônomos hoje podem observar galáxias a mais de 13 bilhões de anos que se formaram apenas milhões de anos após o início do universo. Eles também podem estudar a chamada radiação cósmica de fundo de microondas - uma luz penetrante no cosmos que foi criada pelo Big Bang e ainda persiste.
No entanto, no futuro distante, essas pistas não serão visíveis para os cientistas da Terra ou seus arredores próximos. A luz cósmica de fundo de microondas terá se desvanecido e esticado até o ponto em que suas partículas de luz, chamadas de fótons, terão comprimentos de onda maiores que o universo visível. 
E porque o universo está se expandindo, as antigas galáxias que estão agora apenas dentro do nosso campo de visão estarão muito longe para serem vistas da futura Terra. O sol e muitas outras estrelas terão se esgotado, e nossa vizinhança cósmica ficará muito mais vazia do que é hoje.
No entanto, toda a esperança para os futuros detetives celestes não está perdida, porque os futuros astrônomos poderão estudar o Big Bang através das chamadas estrelas de hipervelocidade que foram lançadas para fora da galáxia de Milkomeda.
Essas estrelas serão as fontes de luz mais distantes visíveis aos astrônomos em nossa galáxia no ano 1 trilhão (CE).
Pistas de backup
"Costumávamos pensar que a cosmologia observacional não seria viável daqui a trilhões de anos", disse Avi Loeb, diretor do Instituto de Teoria e Computação do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, em Cambridge, Massachusetts, em um comunicado. "Agora sabemos que este não será o caso. Estrelas de hipervelocidade permitirão que os residentes de Milkomeda aprendam sobre a expansão cósmica e reconstruam o passado."
Estrelas de hipervelocidade são criadas quando pares de estrelas chamadas binárias vagam muito perto do enorme buraco negro no centro da galáxia. As forças gravitacionais lá podem rasgar o binário, sugando uma estrela no buraco negro e arremessando a outra fora da galáxia a velocidades superiores a 1 milhão de milhas por hora (1,6 milhões de quilômetros por hora).
Tendo escapado da galáxia, as estrelas de hipervelocidade serão aceleradas pela expansão do universo. Medindo as velocidades das estrelas de hipervelocidade, os futuros astrônomos podem deduzir a expansão do universo, que, por sua vez, pode ser rastreada até o Big Bang.
Combinado com informações sobre a idade da galáxia Milkomeda derivada das estrelas dentro dela, nossos descendentes puderam calcular a idade do universo e outros parâmetros importantes.
"Os astrônomos do futuro não terão que acreditar no Big Bang", disse Loeb. "Com medidas cuidadosas e análise inteligente, eles podem encontrar as evidências sutis delineando a história do universo."
Fonte: https://www.livescience.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...