Pular para o conteúdo principal

*Catálogo Messier

O Catálogo Messier ou Catálogo de Messier é uma lista de 110 objetos astronômicos, criado pelo astrônomo francês do século XVIII Charles Messier. Originalmente foi compilado com objetivo de identificar mais facilmente os passos dos cometas, pois Messier fez a proposta de identificar uma série de objetos luminosos fixos e difusos. Os diferentes objetos são relatados por uma letra "M" e número(s), que possui uma correspondência em diferentes catálogos como galáxias, nebulosas ou aglomerados de estrelas. A galáxia de Andrômeda, por exemplo, é o objeto de número 31 do catálogo Messier.

O Objetivo do Catálogo : Nas palavras do próprio Charles Messier :

"O que me motivou a elaborar o catálogo foi a nebulosa que eu descobri logo acima do "chifre" mais austral da constelação de Taurus ( o Touro ) em 12 de setembro de 1758, enquanto procurava observar o cometa daquele ano ... "  "Esta nebulosa tinha uma tal semelhança a um cometa, em sua forma e brilho, que procurei me esforçar para achar outras, de modo que os astrônomos não confundissem estas mesmas nebulosas com cometas que estivessem começando a brilhar. Posteriormente, realizei observações com telescópios refratores apropriados para a busca de cometas, e este é o propósito que tive ao montar o catálogo ... "

M1 - A Espetacular Nebulosa do Caranguejo :


A nebulosa a que se refere Messier e que o inspirou a escrever o seu famoso Catálogo, recebendo a denominação de M1, é conhecida atualmente como a Nebulosa do Caranguejo, situada a 67' ( minutos de arco ) NW da estrela Zeta Tauri, na constelação de Touro. A denominação de Nebulosa do Caranguejo foi primeiramente atribuída pelo astrônomo inglês Lorde Rosse ( 1800 - 1867 ), um homem muito rico que construiu o maior telescópio do mundo em sua época, localizado no Castelo Birr na Irlanda, e quem primeiro detectou a estrutura filamentar da nebulosa em 1844, referindo-se aos filamentos que se estendiam a partir da mesma como se parecessem "as pernas de um caranguejo". Estudos mais recentes demonstraram que esta nebulosa é a remanescente da tremenda explosão de uma estrela como uma supernova que se tornou visível a olho nu durante o ano de 1054 dC e foi registrada por astrônomos chineses.

Tipos de Objetos no Catálogo
Aglomerados Abertos :
M44 - Aglomerado do Presépio
Às vezes também chamados aglomerados galácticos, por estarem situados no interior da Galáxia, próximos ao plano do equador galáctico. Tratam-se de pequenos agrupamentos de forma irregular, contendo desde algumas dezenas até alguns poucos milhares de estrelas ligadas entre si pela atração gravitacional mútua, espalhadas num espaço de algumas dezenas de anos-luz de diâmetro. As componentes de um aglomerado aberto são estrelas jovens da chamada População I , formadas aproximadamente ao mesmo tempo e a partir de uma mesma nuvem de gás. Já foram catalogados até o momento pouco mais de 1000 aglomerados abertos e estima-se que possam existir cerca de 20.000 deles orbitando pela Galáxia. O mais popular deles é o M45 ou Plêiades, visível a olho nu na constelação de Touro.

Aglomerados Globulares:
M10 - Aglomerado Globular
 Aglomerados globulares são agrupamentos bastante compactos, de forma esférica, reunindo de centenas de milhares até um milhão de estrelas num espaço reduzido de 100 a 300 anos-luz de diâmetro. São conhecidos atualmente cerca de 140 aglomerados globulares e estima-se que o número total chegue a uns 200, estando distribuídos simétricamente ao redor da Galáxia, na região conhecida como halo galáctico. As estrelas que compõe os aglomerados globulares estão entre as mais antigas que se conhece, e as mais velhas da Galáxia, com idades entre 12 a 15 bilhões de anos, pertencendo à chamada População II. Os aglomerados globulares aparecem nos binóculos como pequenas esferas esfumaçadas, como bolas de algodão. Com pequenos telescópios já é possível discernir as suas estrelas mais brilhantes. M10 - Aglomerado Globular

Nebulosas:
M20 - Nebulosa Trífida

Nebulosas brilhantes são gigantescas nuvens interestelares de gás e poeira. Constituem alguns dos mais belos objetos para se observar no firmamento e estão associadas à regiões de formação ou nascimento de novas estrelas. As nebulosas de emissão são aquelas que emitem luz. Elas brilham devido à energia de estrelas muito quentes, do tipo espectral O e B, presentes no seu interior. Estas estrelas ionizam os átomos de gás da nebulosa, que passam a emitir radiação e brilham por fluorescência. Algumas nebulosas brilhantes não são regiões de emissão, mas sim nuvens de poeira refletindo a luz de estrelas próximas. Uma nebulosa deste tipo, que brilha pela reflexão da luz das estrelas nas partículas de poeira é chamada de nebulosa de reflexão e possuí coloração típicamente azulada. Temos também as nebulosas escuras, que são nuvens que contém tanta poeira interestelar que acabam por bloquear a luz das estrelas que estão atrás delas ou em seu interior. Aparecem como manchas escuras e irregulares em contraste com um fundo mais iluminado

Nebulosas Planetárias:

Nebulosas planetárias estão associadas às fases finais da vida de uma estrela. Na verdade não tem relação alguma com planetas. Este nome é mantido apenas por razões históricas, já que apareciam aos telescópios como pequenos discos esverdeados, lembrando a aparência dos planetas Urano ou Netuno. São formadas por material ejetado das camadas externas de estrelas gigantes vermelhas, formando uma concha de gás ionizado envolvendo a estrela central extremamente quente.

M 27 - Nebulosa Planetária do Haltere
Remanescentes de Supernova:
As remanescentes de supernova, por outro lado, são nuvens de gás expandindo a altas velocidades a partir da explosão de uma supernova. Uma onda de choque formada após a explosão e constituída por material em expansão a velocidades supersônicas, provoca colisões com as nuvens frias do meio interestelar, provocando a excitação do meio e a emissão de luz. Este tipo de objeto marca o final da vida de uma estrela e está representado no Catálogo de Messier pela M1, a nebulosa do Caranguejo, descrita logo acima.

Galáxias:
M31 - Galáxia de Andrômeda
São imenos conglomerados estelares, variando aproximadamente entre um milhão a centenas de bilhões de estrelas, além de gás e poeira, unidos pela ação da gravidade. As galáxias constituem os elementos básicos da moderna Cosmologia e formam o "esqueleto" do Universo. Observadas através de potentes telescópios, aparecem como objetos luminosos extensos, com o aspecto de uma nuvem, geralmente achatada ou com formato espiral. O seu brilho deve-se ao grande número de estrelas de que são formadas, de modo que, devido à enorme distância que nos separa delas, nos é quase impossível distingui-las umas das outras. As galáxias apresentam uma grande diversidade de formas e de acordo com a sua estrutura elas dividem-se segundo a classificação de Hubble em elípticas, S0, espirais, espirais barradas e irregulares. O nosso Sol, bem como todas as demais estrelas visíveis a olho nu no firmamento fazem parte de uma enorme galáxia espiral, conhecida como Via Láctea ou simplesmente a Galáxia.

Objetos do Catálogo Messier


Mapa dos objetos Messier

Wikipédia




Postagens mais visitadas

Espaço sideral

Espaço sideral é todo o espaço do universo não ocupado por corpos celestes e suas eventuais atmosferas. É a porção vazia do universo, região em que predomina o vácuo. O termo também pode ser utilizado para se referir a todo espaço que transcende a atmosfera terrestre.
Conceituações
Em astronomia, usa-se a denominação "espaço externo" ou "espaço sideral" para fazer referência a todo espaço que transcende o espaço englobado pela atmosfera terrestre. O espaço sideral é frequentemente subdividido em três subespaços:
1.Espaço interplanetário designação usada sobretudo para se referir aos espaços existentes entre os planetas do nosso próprio sistema solar. Por extensão, inclui as distâncias entre os eventuais planetas de qualquer sistema estelar, inclusive o nosso.
2.Espaço interestelar designação usada para se referir às porções de quasi-vácuo existentes entre as estrelas. Refere-se sobretudo aos espaços entre as estrelas da nossa própria galáxia: a Via Láctea.
3.Espaço inte…

Conheça as 10 estrelas mais próximas da Terra

O sol é uma estrela entre milhões na nossa galáxia. Mas muitas outras estrelas próximas existem, inseridas nos seus próprios sistemas e possivelmente algumas delas até terão planetas a orbitá-las. A presente lista detalha as 10 estrelas mais próximas das Terra, cada uma com o seu próprio sistema solar e algumas pertencendo a sistemas binários. Algumas delas são anãs vermelhas, sendo que possuem uma magnitude tão baixa que apesar da sua proximidade à Terra não as conseguimos ver a olho nu. 1. O Sol Distância: 8 minutos/luz Obviamente, a estrela mais próxima da Terra é a estrela central no nosso sistema solar, nomeadamente o nosso sol. Ele ilumina diretamente a Terra durante o dia e é responsável pelo brilho da Lua durante a noite. Sem o Sol, a vida como a conhecemos não existiria aqui na Terra. 2. Alpha Centauri Distância: 4,24 anos-luz Alpha Centauri é na verdade um sistema composto por três estrelas. As estrelas principais no sistema de Alpha Centauri, chamadas de Alpha Centauri A e Alp…

Tipos de Estrelas

Anã branca: Estrela pequena e quente, que se acredita assinalar o estágio final de evolução de uma Estrela como o Sol. Uma Anã branca é mais ou menos do tamanho da Terra, embora contenha tanta matéria quanto o Sol. Essa matéria compacta é tão densa que um dedal dela pesaria uma tonelada ou mais. As Anãs brancas são tão fracas que mesmo as mais próximas de nós, que giram em torno de Sirius e de Procyon, só são vistas com telescópio. 
Anã vermelha: Estrela fria e fraca, de massa menor que a do Sol. As Anãs vermelhas são provavelmente as Estrelas mais abundantes em nossa galáxia, embora seja difícil observá-las em virtude de seu brilho fraco. Mesmo as Anãs vermelhas mais próximas, Próxima Centauri e a Estrela de Barnard, são invisíveis sem telescópio. 
Anã Marron: É um corpo celeste cuja massa é pequena demais para que ocorra uma fusão nuclear em seu núcleo, a temperature e a pressão do núcleo são insuficientes para que a fusão aconteça. Por isso, não pode ser considerada realmente uma est…

Os 7 elementos do universo

Fogo, terra, água e ar. Os filósofos gregos do século 6 a.C. acreditavam que esses 4 elementos formavam tudo o que existe. E eles não estavam tão errados assim. Hoje sabemos que você, as pedras, as estrelas, os seres extraterrestres ou qualquer outra coisa que dê para imaginar são o resultado de alguns poucos ingredientes, e da forma como eles interagem entre si. Para entender isso melhor, dê uma olhada para o seu dedo aí ao lado, que está segurando esta revista. Ele é composto de 99,9% de vazio. Não toca nada.

O que mantém esta revista na sua mão são partículas insanamente pequenas trocadas freneticamente entre os átomos dos seus dedos e os do papel. Os próprios átomos são menores do que manda o bom senso. Quer ver? Então olhe de novo para o seu dedo e observe a cutícula. Estique mentalmente esse pedacinho de pele até que ele fique do tamanho de um prédio de 100 andares. Se isso acontecesse, o átomo ficaria com a espessura de uma folha de papel. Acredite se quiser, nesse espaço exíguo…

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Mercúrio é um planeta seco, quente e quase não tem ar. O planeta fica a quase 58 milhões de quilômetros do Sol e não tem lua nem atmosfera. Fica tão perto do Sol que as temperaturas da superfície podem chegar a 430oC. Assim como a Lua, o planeta é coberto por uma camada fina de minerais. Mercúrio também tem áreas de terra amplas e planas, precipícios e muitas crateras profundas como as da Lua. Cientistas dizem que o interior de Mercúrio e da Terra é feito de ferro.

Vênus é o segundo planeta mais próximo do Sol e é quase do mesmo tamanho da Terra. A superfície do planeta é cheia de montanhas, vulcões, cânions e crateras. O planeta é coberto por nuvens de ácido sulfúrico, uma substância mortal. Vênus também é um planeta muito quente: a temperatura na superfície é de 460oC. Os cientistas enviaram uma nave para explorar o planeta. A primeira a sonda passar perto do planeta foi a Mariner 2, em 1962.

A Terra é o terceiro mais próximo do Sol e o maior dos quatro planetas rochosos. É uma esfera…

Escuridão do Espaço - Por que o Espaço é Escuro?

Porqueo espaço é escuro? Uma questão, que parece simples, porém é realmente muito difícil de responder! É uma pergunta que muitos cientistas ponderaram por muitos séculos – incluindo Johannes Kepler, Edmond Halley, e médico-astrônomo alemão Wilhelm Olbers. Há duas questões que temos que considerar aqui, vamos começar é pela primeira e mais simples delas: Por que o céu é azul durante o dia aqui na Terra? Essa é uma pergunta que podemos responder facilmente. O céu diurno é azul porque a luz das moléculas próximas ao sol bate na atmosfera da Terra e é espalhada em todas as direções. A cor azul do céu é um resultado deste processo de espalhamento. À noite, quando essa parte da Terra está de costas para o Sol, o espaço parece negro porque não existe uma fonte próxima brilhante de luz, como o Sol, para ser espalhada. Se você estivesse na Lua, que não tem atmosfera alguma, o céu noturno seria negro e o diurno também. Você pode ver isso em fotografias tiradas durante a missão Apollo. Agora vam…