7 de março de 2012

Um encontro de galáxias

Esta nova imagem obtida com o VLT Survey Telescope (VST) mostra uma enorme variedade de galáxias em interação no jovem enxame de galáxias de Hércules. Créditos: ESO/INAF-VST/OmegaCAM. Acknowledgement: OmegaCen/Astro-WISE/Kapteyn Institute
 
O VLT Survey Telescope (VST), instalado no Observatório do Paranal do ESO, no Chile, obteve imagens de um conjunto de galáxias em interação no enxame de galáxias de Hércules. A nitidez da nova imagem e as centenas de galáxias obtidas com grande detalhe em menos de três horas de observação, mostram bem a grande capacidade do VST, e da sua enorme câmara OmegaCAM, para explorar o Universo próximo. O enxame de galáxias de Hércules (também conhecido como Abell 2151) situa-se a cerca de 500 milhões de anos-luz de distância na constelação de Hércules. Este enxame é claramente diferente de outras associações de galáxias próximas. Para além de apresentar uma forma bastante irregular, o enxame contém uma grande variedade de tipos de galáxias, em particular galáxias espirais jovens que se encontram a formar estrelas, não se observando nenhuma galáxia elíptica gigante. A nova imagem foi tirada com o VST, o mais recente telescópio instalado no Observatório do Paranal do ESO, no Chile (eso1119). O VST é um telescópio de rastreio, equipado com uma câmara de 268 milhões de pixels, a OmegaCAM, que captura imagens de grandes áreas do céu.
 
Estes detalhes retirados da nova imagem do jovem enxame de galáxias de Hércules, obtida com o VLT Survey Telescope (VST) e a câmara OmegaCAM, mostram uma grande variedade de galáxias em interação. As numerosas interações e o grande número de galáxias espirais ricas em gás que se encontram a formar estrelas, fazem com que os membros do enxame de Hércules se pareçam com as galáxias jovens situadas no Universo mais distante.Créditos:ESO/INAF-VST/OmegaCAM. Acknowledgement: OmegaCen/Astro-WISE/Kapteyn Institute

Normalmente, apenas pequenos telescópios conseguem obter imagens de objetos tão grandes como este duma única vez, mas o VST de 2.6 metros não só possui um grande campo, como também tira todas as vantagens das excelentes condições de observação do Paranal, conseguindo assim obter muito rapidamente imagens que são simultaneamente muito nítidas e muito profundas. Por toda a imagem podemos observar pares de galáxias aproximando-se muito umas das outras. Este processo originará a fusão das galáxias numa só galáxia maior. As numerosas interações e o grande número de galáxias em espiral ricas em gás que se encontram a formar estrelas, fazem com que os membros do enxame de galáxias de Hércules se pareçam com as galáxias jovens do Universo mais longínquo. Devido a esta semelhança, os astrónomos pensam que este enxame de galáxias é um enxame relativamente jovem.

Trata-se dum emaranhado de galáxias, vibrante e dinâmico que, no futuro, se assemelhará aos enxames de galáxias mais velhos, típicos da nossa vizinhança galáctica. Os enxames de galáxias formam-se quando pequenos grupos de galáxias se juntam devido à força da gravidade. À medida que estes grupos se aproximam uns dos outros, o enxame torna-se mais compacto e de forma mais esférica. Ao mesmo tempo, as próprias galáxias aproximam-se entre si e começam a interagir. Mesmo que inicialmente as galáxias espirais predominem nestes grupos, as colisões galácticas levam a eventuais distorções das suas estruturas espirais e ao arrancamento de gás e poeira, o que trava a formação estelar. Por isso, a maioria das galáxias num enxame mais evoluído são elípticas ou irregulares. Uma ou duas galáxias elípticas gigantes, formadas a partir da fusão de várias galáxias mais pequenas e permeadas de estrelas velhas, costumam encontrar-se no centro destes enxames velhos.

Este mapa mostra a localização do enxame de galáxias de Hércules, na constelação de Hércules. O mapa mostra as estrelas visíveis a olho nu sob boas condições. A localização do enxame está indicada por um círculo vermelho. Apenas algumas das galáxias do enxame podem ser observadas por um telescópio amador de grandes dimensões como manchas muito ténues.Créditos:ESO

Pensa-se que o enxame de galáxias de Hércules é uma coleção de, pelo menos, três enxames ou grupos de galáxias mais pequenos, que se encontram neste momento a formar uma estrutura maior. Mais ainda, o próprio enxame está em fusão com outros enxames grandes, o que irá dar origem a um super-enxame de galáxias. Estas gigantescas coleções de enxames são algumas das maiores estruturas do Universo. O grande campo de visão e a qualidade de imagem da OmegaCAM, montada no VST, tornam este instrumento ideal no estudo das regiões periféricas dos enxames de galáxias, onde interações entre os enxames, interações essas que ainda não são bem compreendidas, se estão a processar. Esta imagem mostra não apenas as galáxias do enxame de galáxias de Hércules, mas também muitos objetos ténues e difusos no campo de fundo, que são galáxias muito mais afastadas. Em primeiro plano e muito mais próximo de nós, podem ver-se várias estrelas brilhantes da Via Láctea, observando-se igualmente alguns asteroides através dos curtos rastos que deixaram na imagem à medida que se deslocaram lentamente ao longo desta durante as exposições.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você achou interessante essa postagem deixe seu comentario!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Artigos Mais Lidos