Pular para o conteúdo principal

Primeiro pouso em um cometa: veja os locais



Primeiro pouso em um cometa: veja os locais

Localização dos candidatos a local de pouso do módulo Philae.[Imagem: ESA/Rosetta]

Surpresas iniciais
Graças à informação detalhada reunida pela sonda espacial Rosetta durante as primeiras semanas estudando o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, foi possível identificar cinco locais candidatos à aterragem do módulo de pouso Philae, que deverá ocorrer em Novembro. Até a chegada da nave Rosetta, o cometa 67P nunca tinha sido visto de perto, de forma que a identificação de um local adequado de aterragem para o módulo Philae, de 100 kg, só pode começar depois que a sonda entrou em órbita do cometa, o que aconteceu em 6 de agosto. A aproximação do cometa já trouxe enormes surpresas. Até agora, acreditava-se que cometas eram cobertos de gelo, que evaporaria causando o surgimento da cauda. O gelo interno seria responsável pelas erupções e os jatos que eles emitem quando se aproximam do Sol, fazendo sua cauda crescer ainda mais. Mas o 67P é uma rocha em tudo similar a um asteroide, coberta de poeira e apresentando crateras aparentemente de impacto, com bordas estranhamente salientes.
Primeiro pouso em um cometa: veja os locais
Local de Pouso A - Está numa região interessante localizada no lóbulo maior, mas com uma boa vista para o lóbulo menor. O terreno entre os dois lóbulos é provavelmente a fonte de alguma desgaseificação. São necessárias imagens de maior resolução para estudar o risco na superfície, tais como pequenas depressões ou encostas, enquanto as condições de iluminação também precisam ser analisadas. [Imagem: ESA/Rosetta]

Pouso no cometa
A aterragem está prevista para meados de novembro, quando o 67P estiver a cerca de 450 milhões de quilômetros do Sol, antes que a atividade no cometa atinja níveis que possam por em risco a aterragem e antes que o material em sua superfície seja modificado por esta atividade. O cometa está em uma órbita de seis anos e meio em volta do Sol e hoje está a 522 milhões de quilômetros da estrela. Na sua posição mais próxima, que será atingida em 13 de agosto de 2015, o cometa e a sonda Rosetta estarão a 185 milhões de quilômetros do Sol, o que multiplica por oito a quantidade de luz e calor recebida. Os instrumentos científicos da sonda vão monitorar passo a passo como o cometa evolui à medida que o calor do Sol vai aumentando, observando as alterações ao longo do tempo na superfície e na cauda. Os instrumentos científicos do módulo de pouso farão medições complementares diretamente na superfície do cometa. O módulo de pouso e a sonda vão trabalhar em conjunto, usando o experimento CONSERT para enviar e detectar ondas de rádio através do interior do cometa, de forma a caracterizar a sua estrutura interna.
Primeiro pouso em um cometa: veja os locais

Local de Pouso B - Na estrutura em forma de cratera do lóbulo menor, há um terreno plano que parece ser relativamente seguro para a aterragem, mas as condições de iluminação podem ser um problema se tivermos em conta os planos científicos de longo prazo do Philae. São necessárias imagens de alta resolução para se perceber com detalhe quais são os riscos. Além disso, os pedregulhos parecem corresponder a materiais processados mais recentemente, indicando que este local não é tão primitivo quanto os outros. [Imagem: ESA/Rosetta]

Locais de pouso
A escolha do local de aterragem é um processo complexo. O local tem de respeitar as exigências técnicas da nave e do módulo de pouso durante todas as fases de separação, descida e aterragem, e durante as operações na superfície, com os requisitos científicos dos dez instrumentos a bordo do Philae. A incerteza na navegação da nave, próximo do cometa, significa que apenas seja possível especificar um local de aterragem em termos de uma elipse, cobrindo cerca de um quilômetro quadrado.Para cada local possível de aterragem têm de ser avaliadas as seguintes questões: o Philae conseguirá manter a comunicação regular com a Rosetta? Há muitos pedregulhos, fendas profundas ou encostas íngremes?

Há luz suficiente para as operações científicas e luz solar suficiente para recarregar as baterias do módulo de pouso depois das 64 horas iniciais, sem risco de superaquecimento? As respostas a todas estas questões virão da análise dos dados recolhidos pela Rosetta, agora a 100 km de distância do cometa, incluindo imagens de alta resolução da superfície, medidas da temperatura na superfície do cometa e valores de pressão e densidade de gás em volta do núcleo. Além disso, foi determinada a orientação do cometa relativamente ao Sol, a rotação, massa e gravidade na superfície. Todos estes fatores influenciam a escolha do ponto de aterragem, qualquer que seja o local no cometa.
Primeiro pouso em um cometa: veja os locais

Local de Pouso C - Está localizado no lóbulo maior e apresenta uma variedade de características de superfície, incluindo material mais brilhante, depressões, penhascos, colinas e planícies, mas são necessárias imagens de maior resolução para avaliação do risco de algumas destas características. Também está bem iluminado, o que beneficiaria a atividade científica de longo prazo do Philae. [Imagem: ESA/Rosetta]

Muito diferente
"Pela forma particular e a topografia global do cometa 67P/ Churyumov-Gerasimenko, provavelmente não nos surpreendemos por alguns locais terem sido logo eliminados. Os locais pré-selecionados parecem reunir boas características técnicas, tendo por base uma análise preliminar da dinâmica de voo e outros aspetos chave - por exemplo, todos eles oferecem pelo menos seis horas de luz do dia por rotação do cometa e ainda terreno plano. Claro que cada local tem o potencial para descobertas científicas únicas," disse Stephan Ulamec, responsável pelo módulo de pouso Philae.
"O cometa é muito diferente daquilo que já vimos até agora, apresenta características espetaculares que ainda temos de entender," diz Jean-Pierre Bibring, cientista principal do instrumento CIVA. "Os cinco sítios escolhidos nos oferecem as melhores hipóteses para a aterragem e estudo da composição, estrutura interna e atividade do cometa. A cada local foi atribuída uma letra, sem que exista qualquer ranking. Três locais (B, I e J) estão localizados na parte menor do cometa e dois (A e C) na parte maior.
Primeiro pouso em um cometa: veja os locais

Local de Pouso I - Corresponde a uma área relativamente plana, no lóbulo menor, que pode conter algum material fresco. Imagens de alta resolução permitirão avaliar a extensão do terreno irregular. As condições de iluminação também são favoráveis à atividade científica de longo prazo do Philae. [Imagem: ESA/Rosetta]

Seleção final
O próximo passo é fazer uma análise pormenorizada de cada um dos locais, para determinar as possíveis estratégias orbitais e operacionais que poderão ser usadas pela Rosetta, na aterragem do módulo em cada um dos locais. Paralelamente, a Rosetta irá aproximar-se até os 50 km do cometa, permitindo um estudo mais detalhado dos locais em análise. Por volta do dia 14 de setembro os cinco locais candidatos já terão sido classificados e avaliados, levando a uma seleção do local de aterragem, em função do qual será montada uma estratégia completa para as operações de aterragem. Será escolhido também um segundo local, para alguma necessidade de um Plano B.
Primeiro pouso em um cometa: veja os locaisLocal de Pouso J - Semelhante ao I e localizado também no lóbulo menor, o local J oferece boas características de terreno e boa iluminação. Apresenta vantagens relativamente ao experimento CONSERT quando comparado com o local I, mas faltam imagens de alta resolução para determinar os detalhes do terreno, que mostra pedregulhos e encostas. [Imagem: ESA/Rosetta]

Nessa fase, a Rosetta irá aproximar-se a cerca de 20-30 km do cometa, o que permitirá estabelecer com detalhe a localização dos pedregulhos, quer no local escolhido quer no backup. Esta informação pode ser importante para a decisão de mudar ou não para o backup. A equipe da missão está trabalhando em função de uma data de aterragem de 11 de novembro, mas a confirmação, quer da data, quer do local de aterragem, só será feita em 12 de outubro. "O processo de seleção de um local de aterragem é extremamente complexo e dinâmico; à medida que nos aproximamos do cometa temos acesso a cada vez mais pormenores que irão influenciar a decisão final sobre o local de aterragem," disse Fred Jansen, responsável da ESA para a Rosetta.
Fonte: Inovação Tecnológica

Comentários

Postagens mais visitadas

Tipos de Estrelas

Anã branca: Estrela pequena e quente, que se acredita assinalar o estágio final de evolução de uma Estrela como o Sol. Uma Anã branca é mais ou menos do tamanho da Terra, embora contenha tanta matéria quanto o Sol. Essa matéria compacta é tão densa que um dedal dela pesaria uma tonelada ou mais. As Anãs brancas são tão fracas que mesmo as mais próximas de nós, que giram em torno de Sirius e de Procyon, só são vistas com telescópio. 
Anã vermelha: Estrela fria e fraca, de massa menor que a do Sol. As Anãs vermelhas são provavelmente as Estrelas mais abundantes em nossa galáxia, embora seja difícil observá-las em virtude de seu brilho fraco. Mesmo as Anãs vermelhas mais próximas, Próxima Centauri e a Estrela de Barnard, são invisíveis sem telescópio. 
Anã Marron: É um corpo celeste cuja massa é pequena demais para que ocorra uma fusão nuclear em seu núcleo, a temperature e a pressão do núcleo são insuficientes para que a fusão aconteça. Por isso, não pode ser considerada realmente uma est…

Conheça as 10 estrelas mais próximas da Terra

O sol é uma estrela entre milhões na nossa galáxia. Mas muitas outras estrelas próximas existem, inseridas nos seus próprios sistemas e possivelmente algumas delas até terão planetas a orbitá-las. A presente lista detalha as 10 estrelas mais próximas das Terra, cada uma com o seu próprio sistema solar e algumas pertencendo a sistemas binários. Algumas delas são anãs vermelhas, sendo que possuem uma magnitude tão baixa que apesar da sua proximidade à Terra não as conseguimos ver a olho nu. 1. O Sol Distância: 8 minutos/luz Obviamente, a estrela mais próxima da Terra é a estrela central no nosso sistema solar, nomeadamente o nosso sol. Ele ilumina diretamente a Terra durante o dia e é responsável pelo brilho da Lua durante a noite. Sem o Sol, a vida como a conhecemos não existiria aqui na Terra. 2. Alpha Centauri Distância: 4,24 anos-luz Alpha Centauri é na verdade um sistema composto por três estrelas. As estrelas principais no sistema de Alpha Centauri, chamadas de Alpha Centauri A e Alp…

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Mercúrio é um planeta seco, quente e quase não tem ar. O planeta fica a quase 58 milhões de quilômetros do Sol e não tem lua nem atmosfera. Fica tão perto do Sol que as temperaturas da superfície podem chegar a 430oC. Assim como a Lua, o planeta é coberto por uma camada fina de minerais. Mercúrio também tem áreas de terra amplas e planas, precipícios e muitas crateras profundas como as da Lua. Cientistas dizem que o interior de Mercúrio e da Terra é feito de ferro.

Vênus é o segundo planeta mais próximo do Sol e é quase do mesmo tamanho da Terra. A superfície do planeta é cheia de montanhas, vulcões, cânions e crateras. O planeta é coberto por nuvens de ácido sulfúrico, uma substância mortal. Vênus também é um planeta muito quente: a temperatura na superfície é de 460oC. Os cientistas enviaram uma nave para explorar o planeta. A primeira a sonda passar perto do planeta foi a Mariner 2, em 1962.

A Terra é o terceiro mais próximo do Sol e o maior dos quatro planetas rochosos. É uma esfera…

Espaço sideral

Espaço sideral é todo o espaço do universo não ocupado por corpos celestes e suas eventuais atmosferas. É a porção vazia do universo, região em que predomina o vácuo. O termo também pode ser utilizado para se referir a todo espaço que transcende a atmosfera terrestre.
Conceituações
Em astronomia, usa-se a denominação "espaço externo" ou "espaço sideral" para fazer referência a todo espaço que transcende o espaço englobado pela atmosfera terrestre. O espaço sideral é frequentemente subdividido em três subespaços:
1.Espaço interplanetário designação usada sobretudo para se referir aos espaços existentes entre os planetas do nosso próprio sistema solar. Por extensão, inclui as distâncias entre os eventuais planetas de qualquer sistema estelar, inclusive o nosso.
2.Espaço interestelar designação usada para se referir às porções de quasi-vácuo existentes entre as estrelas. Refere-se sobretudo aos espaços entre as estrelas da nossa própria galáxia: a Via Láctea.
3.Espaço inte…

23 curiosidades sobre o universo.

O universo e a astronomia já são fascinantes por si só, mas entre grandes descobertas, imagens fantásticas e fatos surpreendentes, existem curiosidades muito interessantes para todos os entusiastas. Neste artigo reunimos as 23 curiosidades que achamos mais interessantes para partilhar. Algumas são do conhecimento geral, mas relembrar é bom para o conhecimento cientifico do que nos rodeia.
1. A Terra pesa 5 980 000 000 000 000 000 000 000 kg; 2. Se estás a tentar decorar o nome das estrelas, começa por esta: Torcularis Septentrionalis. Não consegues pronunciar, mas também não consegues esquecer; 3. Um carro a 160km/h demoraria 221 000 milhões de anos a chegar ao centro da Via Láctea; 4. O Universo expande-se cerca de 1,6 biliões de km por hora; 5. Os astronautas não podem chorar. Não que seja lei, mas porque não existe gravidade para que as lágrimas possam escorrer; 6. As interferências nas televisões são provocadas pelas ondas do Big Bang no início do Universo; 7. A constelação do Cruzeiro …

Como surgiram as galáxias

Nos últimos anos, nossa visão do universo passou por grandes transformações. Uma delas é que os pesquisadores descobriram que ele está se expandindo muito e é povoado por uma infinidade de corpos celestes. Isso porque no começo do século passado, todos acreditavam que a Via Láctea era a única galáxia do universo, apesar de avistarem outras, acreditavam que fazia parte da nossa galáxia. Mas no ano de 1924, Edwin Hubble deu uma luz na situação, e provou que existem centenas de bilhões de galáxias, muito mais do que se imaginava, e que elas estavam se distanciando entre si, todas estavam se afastando de nós. Isso levantou muitas questões a respeito de que estávamos no centro do universo, mas esse é tema para outro artigo. Mas então se essas galáxias estão se afastando cada vez mais, é de se imaginar que um dia elas estavam mais unidas. E voltando ainda mais no tempo, estavam todas amontoadas num único ponto, o Big Bang. Mas o assunto de hoje é como elas surgiram. Se o universo está se exp…