Pular para o conteúdo principal

Um reservatório de gelo imenso foi encontrado em Marte e pode ajudar na futura colonização do Planeta

Fora a Terra, Marte é o planeta mais “habitável” do sistema solar – mas isso não significa que podemos simplesmente nos mudar para lá e esperar ter uma vida como temos no nosso planeta azul.  Mas embora a superfície de Marte seja mais estéril (e muito mais tóxica) do que o deserto mais árido da Terra, a NASA descobriu um vasto suprimento subterrâneo de gelo de água que pode, algum dia, ser um oásis para os futuros exploradores do planeta vizinho. A chave para a sobrevivência dos futuros colonizadores de Marte será a utilização de recursos existentes no Planeta Vermelho, de modo que a necessidade de desembarcar futuros exploradores perto de um recurso de água conhecido é fundamental.

A água não é apenas um requisito para manter os astronautas vivos, ela é necessária para a produção de combustível e sustentaria qualquer eventual agricultura marciana. Simplificando, a menos que encontremos água em Marte e entendamos como acessá-la, nossos sonhos de colonizar Marte terminam. Tendo isso em vista, a descoberta de um vasto reservatório de gelo de água subterrânea por um satélite da NASA que orbita o planeta pode representar uma mudança para o futuro da colonização de Marte.

Fácil acesso
“Este depósito é provavelmente mais acessível do que a maioria do gelo em Marte, porque está em uma latitude relativamente baixa e está em uma área plana e lisa, onde aterrisar uma espaçonave seria mais fácil do que em algumas das outras áreas com gelo enterrado”, diz Jack Holt, da Universidade do Texas, nos EUA. O reservatório foi encontrado sob a famosa Utopia Planitia, a planície marciana onde a sonda robótica Viking 2 da NASA estabeleceu-se em 1976. Usando dados do Mars Reconnaissance Orbiter’s ground-penetrating Shallow Radar (SHARAD), os pesquisadores descobriram o imenso pedaço de gelo, com 80 a 170 metros de espessura, cobrindo uma área maior do que o estado do Rio Grande do Sul. O depósito tem cerca de 50 a 85% por cento de gelo de água, misturado com poeira e rochas.

Utopia está localizada a meio caminho entre o pólo norte de Marte e seu equador, uma região onde o gelo de água não pode atualmente persistir na superfície. Pensa-se que o gelo acumulou no local quando o planeta era muito mais inclinado do que é agora. A inclinação do Planeta Vermelho varia muito ao longo de seus ciclos aproximados de 120.000 anos. Sua inclinação axial atual é de cerca de 25 graus, mas pode inclinar até 60 graus. Esta escala maluca causa mudanças climáticas significativas que forçaram a formação de gelo dos pólos para latitudes mais baixas no passado.

“Este depósito provavelmente se formou como uma queda de neve se acumulando em uma camada de gelo misturada com poeira durante um período na história de Marte, quando o eixo do planeta era mais inclinado do que é hoje”, afirma Cassie Stuurman, do Instituto de Geofísica da Universidade do Texas e autora principal de um estudo publicado na revista Geophysical Research Letters.

O reservatório subterrâneo de Utopia representa um registro climático desses deslocamentos climáticos, protegidos por uma camada de 1 a 10 metros de espessura de rocha de Marte e regolito – solo marciano que é composto de restos empoeirados de eras de impactos de meteoritos. Esta camada superficial fina significa que os primeiros exploradores de Marte humanos podem perfurar relativamente facilmente o depósito de gelo de água, seja retirando pedaços de mineração de gelo de água para processamento, ou diretamente aquecendo a camada e bombeando água líquida.

Sem evidências de água líquida
Claro, a presença de gelo de água levará à especulação da possibilidade de vida em Marte. Poderiam haver bolsões de água líquida lamacenta subterrânea que permitiriam a vida microbiana?

“Embora o gelo esteja lá por um longo tempo, nós não sabemos se poderia ter havido água líquida suficiente em algum ponto para apoiar a vida microbiana”, Holt acrescenta. Os pesquisadores suspeitavam há bastante tempo que Utopia era um local onde o gelo de água pudesse estar se escondendo. Características de superfície poligonal que são comumente vistas no Ártico canadense, indicadores de gelo subterrâneo, também estão presentes em Utopia. No entanto, esta é a primeira vez que a presença de gelo no subsolo foi confirmada na região. Há também a evidência de canais de rios antigos na região, de onde se acredita que o gelo subterrâneo derreteu e fluiu.

“Os depósitos de gelo em Utopia Planitia não são apenas um recurso de exploração, eles também são um dos registros de mudanças climáticas mais acessíveis em Marte”, aponta o co-autor Joe Levy, também da Universidade do Texas. “Nós não entendemos completamente por que o gelo se acumulou em algumas áreas da superfície marciana e não em outras. Usar este gelo em uma missão futura poderia ajudar a manter os astronautas vivos, ao mesmo tempo, ajudá-los a desvendar os segredos da idade glacial marciana”.
Fonte: HypeScience.com

Comentários

Postagens mais visitadas

Tipos de Estrelas

Anã branca: Estrela pequena e quente, que se acredita assinalar o estágio final de evolução de uma Estrela como o Sol. Uma Anã branca é mais ou menos do tamanho da Terra, embora contenha tanta matéria quanto o Sol. Essa matéria compacta é tão densa que um dedal dela pesaria uma tonelada ou mais. As Anãs brancas são tão fracas que mesmo as mais próximas de nós, que giram em torno de Sirius e de Procyon, só são vistas com telescópio. 
Anã vermelha: Estrela fria e fraca, de massa menor que a do Sol. As Anãs vermelhas são provavelmente as Estrelas mais abundantes em nossa galáxia, embora seja difícil observá-las em virtude de seu brilho fraco. Mesmo as Anãs vermelhas mais próximas, Próxima Centauri e a Estrela de Barnard, são invisíveis sem telescópio. 
Anã Marron: É um corpo celeste cuja massa é pequena demais para que ocorra uma fusão nuclear em seu núcleo, a temperature e a pressão do núcleo são insuficientes para que a fusão aconteça. Por isso, não pode ser considerada realmente uma est…

Conheça as 10 estrelas mais próximas da Terra

O sol é uma estrela entre milhões na nossa galáxia. Mas muitas outras estrelas próximas existem, inseridas nos seus próprios sistemas e possivelmente algumas delas até terão planetas a orbitá-las. A presente lista detalha as 10 estrelas mais próximas das Terra, cada uma com o seu próprio sistema solar e algumas pertencendo a sistemas binários. Algumas delas são anãs vermelhas, sendo que possuem uma magnitude tão baixa que apesar da sua proximidade à Terra não as conseguimos ver a olho nu. 1. O Sol Distância: 8 minutos/luz Obviamente, a estrela mais próxima da Terra é a estrela central no nosso sistema solar, nomeadamente o nosso sol. Ele ilumina diretamente a Terra durante o dia e é responsável pelo brilho da Lua durante a noite. Sem o Sol, a vida como a conhecemos não existiria aqui na Terra. 2. Alpha Centauri Distância: 4,24 anos-luz Alpha Centauri é na verdade um sistema composto por três estrelas. As estrelas principais no sistema de Alpha Centauri, chamadas de Alpha Centauri A e Alp…

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Mercúrio é um planeta seco, quente e quase não tem ar. O planeta fica a quase 58 milhões de quilômetros do Sol e não tem lua nem atmosfera. Fica tão perto do Sol que as temperaturas da superfície podem chegar a 430oC. Assim como a Lua, o planeta é coberto por uma camada fina de minerais. Mercúrio também tem áreas de terra amplas e planas, precipícios e muitas crateras profundas como as da Lua. Cientistas dizem que o interior de Mercúrio e da Terra é feito de ferro.

Vênus é o segundo planeta mais próximo do Sol e é quase do mesmo tamanho da Terra. A superfície do planeta é cheia de montanhas, vulcões, cânions e crateras. O planeta é coberto por nuvens de ácido sulfúrico, uma substância mortal. Vênus também é um planeta muito quente: a temperatura na superfície é de 460oC. Os cientistas enviaram uma nave para explorar o planeta. A primeira a sonda passar perto do planeta foi a Mariner 2, em 1962.

A Terra é o terceiro mais próximo do Sol e o maior dos quatro planetas rochosos. É uma esfera…

Espaço sideral

Espaço sideral é todo o espaço do universo não ocupado por corpos celestes e suas eventuais atmosferas. É a porção vazia do universo, região em que predomina o vácuo. O termo também pode ser utilizado para se referir a todo espaço que transcende a atmosfera terrestre.
Conceituações
Em astronomia, usa-se a denominação "espaço externo" ou "espaço sideral" para fazer referência a todo espaço que transcende o espaço englobado pela atmosfera terrestre. O espaço sideral é frequentemente subdividido em três subespaços:
1.Espaço interplanetário designação usada sobretudo para se referir aos espaços existentes entre os planetas do nosso próprio sistema solar. Por extensão, inclui as distâncias entre os eventuais planetas de qualquer sistema estelar, inclusive o nosso.
2.Espaço interestelar designação usada para se referir às porções de quasi-vácuo existentes entre as estrelas. Refere-se sobretudo aos espaços entre as estrelas da nossa própria galáxia: a Via Láctea.
3.Espaço inte…

23 curiosidades sobre o universo.

O universo e a astronomia já são fascinantes por si só, mas entre grandes descobertas, imagens fantásticas e fatos surpreendentes, existem curiosidades muito interessantes para todos os entusiastas. Neste artigo reunimos as 23 curiosidades que achamos mais interessantes para partilhar. Algumas são do conhecimento geral, mas relembrar é bom para o conhecimento cientifico do que nos rodeia.
1. A Terra pesa 5 980 000 000 000 000 000 000 000 kg; 2. Se estás a tentar decorar o nome das estrelas, começa por esta: Torcularis Septentrionalis. Não consegues pronunciar, mas também não consegues esquecer; 3. Um carro a 160km/h demoraria 221 000 milhões de anos a chegar ao centro da Via Láctea; 4. O Universo expande-se cerca de 1,6 biliões de km por hora; 5. Os astronautas não podem chorar. Não que seja lei, mas porque não existe gravidade para que as lágrimas possam escorrer; 6. As interferências nas televisões são provocadas pelas ondas do Big Bang no início do Universo; 7. A constelação do Cruzeiro …

Como surgiram as galáxias

Nos últimos anos, nossa visão do universo passou por grandes transformações. Uma delas é que os pesquisadores descobriram que ele está se expandindo muito e é povoado por uma infinidade de corpos celestes. Isso porque no começo do século passado, todos acreditavam que a Via Láctea era a única galáxia do universo, apesar de avistarem outras, acreditavam que fazia parte da nossa galáxia. Mas no ano de 1924, Edwin Hubble deu uma luz na situação, e provou que existem centenas de bilhões de galáxias, muito mais do que se imaginava, e que elas estavam se distanciando entre si, todas estavam se afastando de nós. Isso levantou muitas questões a respeito de que estávamos no centro do universo, mas esse é tema para outro artigo. Mas então se essas galáxias estão se afastando cada vez mais, é de se imaginar que um dia elas estavam mais unidas. E voltando ainda mais no tempo, estavam todas amontoadas num único ponto, o Big Bang. Mas o assunto de hoje é como elas surgiram. Se o universo está se exp…