Pular para o conteúdo principal

“Buraco negro molecular” é criado em laboratório

O Linac Coherent Light Source (LCLS) é o laser de raios-x mai poderoso do mundo, e foi projetado para ajudar os cientistas a descobrir os segredos do mundo microscópico com mais detalhes. No passado, o instrumento foi usado para criar um tipo de mini-estrela em laboratório, e agora ele criou um “buraco negro molecular” concentrando a intensidade total do feixe em um único átomo.

O LCLS pode tirar imagens de alta resolução de vírus, bactérias, proteínas e moléculas individuais. O sistema funciona atingindo objetos com impulsos de raios X extremamente brilhantes que duram apenas femtossegundos (cerca de um milhão de bilionésimos de segundo) que geram energia suficiente para cortar o aço. Estudar objetos microscópicos com o LCLS pode melhorar nossa compreensão da física de partículas, fotossíntese, fusão nuclear, spintrônica e ajudar no desenvolvimento de medicamentos,.
O buraco negro molecular foi um subproduto inesperado de experimentos realizados por pesquisadores da Universidade Estadual do Kansas, nos EUA. A equipe usou espelhos para focar o feixe de raios-x em um ponto de 100 nm (nanômetros) de largura, que é cerca de 100 vezes menor do que os alvos do equipamento. O plano era testar a forma como os átomos pesados ​​reagem quando atingidos com raios X rígidos, carregando a maior energia possível que o LCLS pode produzir.
“Eles são cerca de cem vezes mais intensos do que o que você obteria se focasse toda a luz solar que atinge a superfície da Terra em uma miniatura”, diz Sebastien Boutet, co-autor do estudo.
Com essa quantidade ridícula de energia aproveitada, a equipe visou átomos de xenônio, que contêm 54 elétrons cada, e átomos de iodo, que possuem 53 elétrons. Era esperado que os elétrons mais profundos em cada átomo fossem removidos para criar “átomos vazios”, antes que os elétrons das camadas externas caíssem em cascata para preencher as lacunas. Estes seriam apagados pelos próximos raios-x, deixando apenas os elétrons mais estreitamente ligados.
Isso é exatamente o que aconteceu com os átomos de xenônio, que foram isolados, mas não foi o caso do iodo. Esses átomos eram parte de duas moléculas diferentes e maiores, então, quando perderam elétrons, eles se tornaram um tipo de buraco negro molecular, sugando mais dos átomos de carbono e hidrogênio adjacentes para preencher o vazio deixado para trás. Esses elétrons foram então ejetados também, antes que as raios-X destruíssem completamente as moléculas.
Um átomo de iodo isolado deveria perder 47 elétrons nessa situação, mas incluindo aqueles que absorveu de seus vizinhos, as menores de duas moléculas acabaram ejetando 54. Quanto ao maior, a equipe não conseguiu descubrir ainda.
“Nós acreditamos que o efeito foi ainda mais importante na molécula maior do que na menor, mas ainda não sabemos quantificá-lo”, diz Artem Rudenko, pesquisador principal do estudo. “Nós estimamos que mais de 60 elétrons foram expulsos, mas na verdade não sabemos onde eles pararam, porque não conseguimos detectar todos os fragmentos que voaram quando a molécula se separou para ver quantos elétrons estavam faltando. São perguntas abertas que precisamos estudar”.
Embora os pesquisadores não esperassem que os átomos fossem tão danificados, os resultados ainda concordam com os modelos teóricos, o que leva a equipe a acreditar que o instrumento pode ser usado para estudar sistemas mais complexos.
“Isso tem benefícios importantes para os cientistas que desejam alcançar as imagens de moléculas biológicas de maior resolução para o desenvolvimento de melhores produtos farmacêuticos, por exemplo”, diz Mike Dunne, diretor do programa LCLS. “Essas experiências também guiarão o desenvolvimento de um instrumento de próxima geração para o projeto de atualização LCLS-II, que proporcionará um grande salto na capacidade devido ao aumento da taxa de repetição de 120 pulsos por segundo para 1 milhão”, finaliza. 
Fonte: HypeScience.com

Comentários

Postagens mais visitadas

Espaço sideral

Espaço sideral é todo o espaço do universo não ocupado por corpos celestes e suas eventuais atmosferas. É a porção vazia do universo, região em que predomina o vácuo. O termo também pode ser utilizado para se referir a todo espaço que transcende a atmosfera terrestre.
Conceituações
Em astronomia, usa-se a denominação "espaço externo" ou "espaço sideral" para fazer referência a todo espaço que transcende o espaço englobado pela atmosfera terrestre. O espaço sideral é frequentemente subdividido em três subespaços:
1.Espaço interplanetário designação usada sobretudo para se referir aos espaços existentes entre os planetas do nosso próprio sistema solar. Por extensão, inclui as distâncias entre os eventuais planetas de qualquer sistema estelar, inclusive o nosso.
2.Espaço interestelar designação usada para se referir às porções de quasi-vácuo existentes entre as estrelas. Refere-se sobretudo aos espaços entre as estrelas da nossa própria galáxia: a Via Láctea.
3.Espaço inte…

Conheça as 10 estrelas mais próximas da Terra

O sol é uma estrela entre milhões na nossa galáxia. Mas muitas outras estrelas próximas existem, inseridas nos seus próprios sistemas e possivelmente algumas delas até terão planetas a orbitá-las. A presente lista detalha as 10 estrelas mais próximas das Terra, cada uma com o seu próprio sistema solar e algumas pertencendo a sistemas binários. Algumas delas são anãs vermelhas, sendo que possuem uma magnitude tão baixa que apesar da sua proximidade à Terra não as conseguimos ver a olho nu. 1. O Sol Distância: 8 minutos/luz Obviamente, a estrela mais próxima da Terra é a estrela central no nosso sistema solar, nomeadamente o nosso sol. Ele ilumina diretamente a Terra durante o dia e é responsável pelo brilho da Lua durante a noite. Sem o Sol, a vida como a conhecemos não existiria aqui na Terra. 2. Alpha Centauri Distância: 4,24 anos-luz Alpha Centauri é na verdade um sistema composto por três estrelas. As estrelas principais no sistema de Alpha Centauri, chamadas de Alpha Centauri A e Alp…

Tipos de Estrelas

Anã branca: Estrela pequena e quente, que se acredita assinalar o estágio final de evolução de uma Estrela como o Sol. Uma Anã branca é mais ou menos do tamanho da Terra, embora contenha tanta matéria quanto o Sol. Essa matéria compacta é tão densa que um dedal dela pesaria uma tonelada ou mais. As Anãs brancas são tão fracas que mesmo as mais próximas de nós, que giram em torno de Sirius e de Procyon, só são vistas com telescópio. 
Anã vermelha: Estrela fria e fraca, de massa menor que a do Sol. As Anãs vermelhas são provavelmente as Estrelas mais abundantes em nossa galáxia, embora seja difícil observá-las em virtude de seu brilho fraco. Mesmo as Anãs vermelhas mais próximas, Próxima Centauri e a Estrela de Barnard, são invisíveis sem telescópio. 
Anã Marron: É um corpo celeste cuja massa é pequena demais para que ocorra uma fusão nuclear em seu núcleo, a temperature e a pressão do núcleo são insuficientes para que a fusão aconteça. Por isso, não pode ser considerada realmente uma est…

Os 7 elementos do universo

Fogo, terra, água e ar. Os filósofos gregos do século 6 a.C. acreditavam que esses 4 elementos formavam tudo o que existe. E eles não estavam tão errados assim. Hoje sabemos que você, as pedras, as estrelas, os seres extraterrestres ou qualquer outra coisa que dê para imaginar são o resultado de alguns poucos ingredientes, e da forma como eles interagem entre si. Para entender isso melhor, dê uma olhada para o seu dedo aí ao lado, que está segurando esta revista. Ele é composto de 99,9% de vazio. Não toca nada.

O que mantém esta revista na sua mão são partículas insanamente pequenas trocadas freneticamente entre os átomos dos seus dedos e os do papel. Os próprios átomos são menores do que manda o bom senso. Quer ver? Então olhe de novo para o seu dedo e observe a cutícula. Estique mentalmente esse pedacinho de pele até que ele fique do tamanho de um prédio de 100 andares. Se isso acontecesse, o átomo ficaria com a espessura de uma folha de papel. Acredite se quiser, nesse espaço exíguo…

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Mercúrio é um planeta seco, quente e quase não tem ar. O planeta fica a quase 58 milhões de quilômetros do Sol e não tem lua nem atmosfera. Fica tão perto do Sol que as temperaturas da superfície podem chegar a 430oC. Assim como a Lua, o planeta é coberto por uma camada fina de minerais. Mercúrio também tem áreas de terra amplas e planas, precipícios e muitas crateras profundas como as da Lua. Cientistas dizem que o interior de Mercúrio e da Terra é feito de ferro.

Vênus é o segundo planeta mais próximo do Sol e é quase do mesmo tamanho da Terra. A superfície do planeta é cheia de montanhas, vulcões, cânions e crateras. O planeta é coberto por nuvens de ácido sulfúrico, uma substância mortal. Vênus também é um planeta muito quente: a temperatura na superfície é de 460oC. Os cientistas enviaram uma nave para explorar o planeta. A primeira a sonda passar perto do planeta foi a Mariner 2, em 1962.

A Terra é o terceiro mais próximo do Sol e o maior dos quatro planetas rochosos. É uma esfera…

Escuridão do Espaço - Por que o Espaço é Escuro?

Porqueo espaço é escuro? Uma questão, que parece simples, porém é realmente muito difícil de responder! É uma pergunta que muitos cientistas ponderaram por muitos séculos – incluindo Johannes Kepler, Edmond Halley, e médico-astrônomo alemão Wilhelm Olbers. Há duas questões que temos que considerar aqui, vamos começar é pela primeira e mais simples delas: Por que o céu é azul durante o dia aqui na Terra? Essa é uma pergunta que podemos responder facilmente. O céu diurno é azul porque a luz das moléculas próximas ao sol bate na atmosfera da Terra e é espalhada em todas as direções. A cor azul do céu é um resultado deste processo de espalhamento. À noite, quando essa parte da Terra está de costas para o Sol, o espaço parece negro porque não existe uma fonte próxima brilhante de luz, como o Sol, para ser espalhada. Se você estivesse na Lua, que não tem atmosfera alguma, o céu noturno seria negro e o diurno também. Você pode ver isso em fotografias tiradas durante a missão Apollo. Agora vam…