Acontece que nossa galáxia canibalizou um companheiro muito mais recentemente do que pensávamos

A última colisão da Via Láctea foi surpreendentemente recente, ocorrendo bilhões de anos depois do que pensávamos. 

O halo da Via Láctea pareceria mais uniforme e menos enrugado se uma fusão de galáxias não tivesse ocorrido nos últimos bilhões de anos. Crédito da imagem: Halo stars: ESA/Gaia/DPAC, T Donlon et al., 2024; Fundo Via Láctea e Nuvens de Magalhães: Stefan Payne-Wardenaar 

A sonda Gaia, da Agência Espacial Europeia, está criando o mapa mais detalhado da Via Láctea. A posição e o movimento de 1,5 bilhão de estrelas estão sendo medidos, e isso revelou algo bastante interessante. Algumas estrelas se movem de maneiras que só podem ser explicadas se vierem de uma galáxia diferente. E acontece que provavelmente houve várias colisões no passado da nossa galáxia.

As fusões de galáxias são um fenômeno relativamente comum no universo. Uma pequena porcentagem de galáxias no universo local está se fundindo ativamente. Há alguns anos, Gaia forneceu evidências de que nossa galáxia comeu uma galáxia menor entre 8 e 11 bilhões de anos atrás – esse objeto agora é absorvido, mas recebeu um nome independentemente disso: Gaia-Salsicha-Encélado.

Uma fusão deixa ondas de estrelas, que a equipe de pesquisa descreve como rugas na galáxia. Mas parece que nem todas as rugas da fusão Gaia-Salsicha-Encélado são iguais. Este novo trabalho argumenta que alguns deles vêm de uma fusão muito mais recente, que ocorreu há apenas três bilhões de anos.

"Ficamos mais enrugados à medida que envelhecemos, mas nosso trabalho revela que o oposto é verdadeiro para a Via Láctea. É uma espécie de Benjamin Button cósmico, ficando menos enrugado com o tempo", disse o autor principal Thomas Donlon, do Instituto Politécnico Rensselaer e da Universidade do Alabama, em um comunicado. "Ao observar como essas rugas se dissipam ao longo do tempo, podemos rastrear quando a Via Láctea experimentou seu último grande acidente – e acontece que isso aconteceu bilhões de anos depois do que pensávamos."

Está tudo no movimento dessas estrelas. Uma galáxia sendo canibalizada pela nossa significa que ela está entrando na Via Láctea em alta velocidade. As estrelas se espalham e se confundem com a população original de nossa galáxia, mas ainda possuem essas altas velocidades. Seu efeito na galáxia não é permanente; ele suaviza depois de um longo tempo. Então, ver esses efeitos, as rugas, ser mais forte a partir de certas estrelas e não de outras sugere um histórico de múltiplas e até recentes fusões.

"Para que as rugas das estrelas sejam tão claras quanto aparecem nos dados de Gaia, elas devem ter se juntado a nós há menos de três bilhões de anos – pelo menos cinco bilhões de anos depois do que se pensava anteriormente", acrescentou a coautora Heidi Jo Newberg, também do Instituto Politécnico Rensselaer.

"Novas rugas de estrelas se formam cada vez que as estrelas balançam para frente e para trás pelo centro da Via Láctea. Se eles tivessem se juntado a nós há oito bilhões de anos, haveria tantas rugas um ao lado do outro que não as veríamos mais como características separadas."

Gaia continua a fornecer uma nova compreensão de nossa casa no cosmos, ajudando os astrônomos a descobrir a história de nossa galáxia – desde os blocos de construção mais antigos até as possíveis adições mais recentes.

O estudo foi publicado no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Fonte: iflscience.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mu Cephei

Eta Carinae

Astrônomos encontram planetas ‘inclinados’ mesmo em sistemas solares primitivos

Isolamento galáctico

Fobos sobre Marte

Nebulosa Crew-7

Júpiter ao luar

Agitando o cosmos

A Lagoa Profunda

Ganimedes de Juno