7 super-Terras descobertas recentemente

Conheça alguns dos planetas descobertos por astrônomos que são bons candidatos à presença de vida 
Uma super-Terra é um planeta que possui massa entre uma e dez vezes a da Terra. Mas é mais leve do que planetas gigantes, como Netuno. As três super-Terras em questão se encontram na zona habitável de sua estrela, uma fina concha em torno da estrela onde a água líquida pode estar presente, se estiverem reunidas as condições certas. Apesar de estarem em uma zona habitável, ou seja, com possibilidade de água, essas três não são as únicas super-Terras encontradas pela ciência. Veja a seguir outros planetas desse tipo.
 
HD 40307
 Um grupo de cientistas da Universidade de Hertfordshire (Reino Unido) e da Universidade de Göttingen (Alemanha) descobriu um possível planeta habitável fora do Sistema Solar. A estrela que o planeta orbita é parecida com o Sol e está a 44 anos-luz da Terra. A estrela se chama HD 40307 e se difere do Sol apenas por ser um pouco menor e mais fria. Ela tem aproximadamente 70% da massa solar. O planeta tem sete vezes mais massa do que a Terra e completa sua órbita em 200 dias terrestres. O planeta tem sete vezes mais massa do que a Terra e completa sua órbita em 200 dias terrestres. Esta super-Terra recebe cerca de dois terços da quantidade de luz solar que a Terra recebe.

Portanto, é um pouco mais frio, mas quente o suficiente para ter oceanos e clima úmido como a Terra. Como a estrela brilha menos do que o Sol, o planeta está na posição certa para abrigar água em estado líquido. Os cientistas acreditam que, por estar a 44 anos-luz daqui, a próxima geração de telescópios espaciais buscarão detectar a luz vinda desse astro. Com isso seria possível identificar a composição atmosférica dessa super-Terra e descobrir se existe água em sua superfície.

GJ1214b
A busca por planetas habitáveis deu outro passo quando os astrônomos encontraram GJ1214b, a 40 anos-luz de distância. Classificado como uma super-Terra, o planeta orbita uma pequena estrela e, o mais importante, possui uma atmosfera. Estudos recentes comandados pelo astrônomo Zachory Berta, do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, de Cambridge, provaram que o GJ1214b tem boa parte de sua massa composta de água. Ele está situado a 40 anos-luz da Terra. O planeta é considerado uma Super-Terra, tem 2,7 vezes o comprimento do nosso planeta e sete vezes o seu peso. Ele orbita a cada 38 horas ao redor de uma estrela vermelha anã e possui temperatura estimada de 232º C.

55 Cancri
Cientistas da Universidade Yale, nos Estados Unidos, descobriram que a superterra 55 Cancri tem uma superfície coberta por grafite e diamante. Esse planeta fica na constelação de Câncer, a 41 anos-luz da Terra. Os astrônomos já encontraram outros planetas compostos por diamante. Porém, essa foi a primeira vez que os pesquisadores conseguem estudar um planeta desse tipo com tantos detalhes. O 55 Cancri é duas vezes maior e oito vezes mais maciço que a Terra. Além de ser formado por carbono, como grafite e diamante, também é possível encontrar outros elementos no planeta.

Os pesquisadores acreditam que há minerais como silício nessa super-Terra e um núcleo de ferro fundido. Os cientistas envolvidos na pesquisa acreditam que pelo menos um terço da massa do 55 Cancri é feito de diamante. Essa quantidade equivale a três massas do nosso planeta. Antes dessa descoberta, os astrônomos imaginavam que essa super-Terra tinha um núcleo coberto por uma camada de água e que estava em forma de um vapor espesso por causa das temperaturas extremas. Agora, eles já sabem que não há água no planeta, mas diamante.

55 Cancri e
Apesar do nome parecido, 55 Cancri e é um exoplaneta descoberto por pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT). Com duas vezes o tamanho da Terra e 9 vezes a sua massa, o 55 Cancri e possui uma formação rochosa (e não gasosa, como Júpiter) e muito provavelmente apresenta vapor de água e gás hidrogênio. Sua superfície, no entanto, é muito quente: 2.700o C. A elevada temperatura é resultado da proximidade do planeta com sua estrela. Embora isso seja uma má notícia para aqueles buscando vida extraterrestre (por lá, as temperaturas impedem sua existência), foi justamente a pouca distância que permitiu que tantos detalhes fossem descobertos.

Gliese 667 Cc
Por sua vez, Gliese 667 Cc orbita a estrela do sistema estelar triplo e com baixa quantidade de elementos mais pesados que o hélio, a Gliese 667. O planeta tem 4,5 vezes a massa da Terra e está na zona habitável. A temperatura é capaz de abrigar água em estado líquido. Esse sistema estelas triplo é onde os cientistas descobriram as três super-Terras onde a água pode existir em forma líquida, anunciada terça-feira 25/06/2013.

Gliese 581d
Velho conhecido dos astrônomos, o exoplaneta Gliese 581d orbita a estrela anã vermelha Gliese 581. Essa estrela é uma das mais próximas ao sol, a apenas 20 anos-luz. A estrela tem 1/3 da massa do Sol e emite 50 vezes menos energia. Este planeta aparenta orbitar na zona habitável também. Isso significa que poderá conter água no estado líquido. O local é objeto de estudos há algum tempo e, inclusive, já teve outros candidatos a local habitável.

Gliese 581g
Após 11 anos de análises do Observatório W. M. Keck, no Havaí, um dos maiores telescópios ópticos do mundo, uma equipe de cientistas da Universidade da Califórnia e do Instituto Carnegie de Washington anunciou a descoberta de dois novos corpos ao redor da estrelas, sendo um deles na chamada “zona habitável” em 2011. A órbita de Gliese 581g tem pouco menos de 37 dias e sua massa é de três ou quatro Terras, o que indica se tratar de um planeta rochoso, com gravidade o suficiente para que as coisas fiquem na atmosfera. Seu diâmetro é de 1,2 a 1,4 vezes o do nosso planeta.
Fonte: Exame .abril

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton