Pular para o conteúdo principal

Saturno Ontem e Hoje: 30 Anos Desde a Visita da Sonda Voyager

A NASA Voyager dia 1 nave espacial fez sua maior aproximação a Saturno, revelou as torções em um dos mais estreitos os anéis de Saturno (à esquerda). Imagens da sonda Cassini (à direita) finalmente permitiu aos cientistas entender como as luas de Saturno Prometeu e Pandora esculpir a forma dobrada do anel.
Ed Stone, cientista de projeto da missão Voyager da NASA, lembrou o primeira vez que viu as dobras dos anéis mais estreitos de Saturno. Isso aconteceu no dia em que a sonda Voyager 1 fez a sua aproximação mais próxima do gigantesco planeta dos anéis há 30 anos atrás. Os cientistas estavam se reunindo em frente a monitores de televisão e em outro escritório todos os dias durante este período inebriante se debruçando sobre as imagens desconcertantes e outros dados que eram enviados para o Jet Propulsion Laboratory da NASA em Pasadena, Califórnia. Stone desenhou um esboço bruto deste anel recortado, conhecido como Anel F em seu caderno, mas sem nenhuma explicação o próxima da anotação. As inúmeras partículas que compõem os grandes anéis estão em órbitas quase circulares ao redor de Saturno. Então, foi uma surpresa ao encontrar que o anel F, descoberto apenas um ano antes pela sonda Pioneer 11da NASA, possuía protuberâncias e dobras. O que poderia ter criado tal padrão?

O padrão de tempo intrigante hexagonal em torno do pólo norte de Saturno foi encontrado pela primeira vez em imagens da Voyager 2 (esquerda). Cassini obteve imagens de alta resolução do hexágono (como o da direita, tirada em 2009) - que os cientistas dizem que o hexágono é uma onda bastante estável em uma das correntes de jato, que permanece 30 anos depois.
A curiosidade no Anel F não foi o único fenômeno estranho descoberto durante os contatos imediatos das sondas Voyager com o planeta Saturno. Encontros esses que ocorreram em 12 de Novembro de 1980 para a Voyager 1 e em 25 de Agosto para a Voyager 2. Os encontros da Voyager com Saturno revelaram seis pequenas luas e mostrar o terreno dividido de Encélado que possui uma metade antiga e outra metade nova apontando para algum tipo de atividade geológica. As imagens obtidas durante esses dois encontros também mostrou tempestades individuais rolando pela atmosfera do planeta que não era mostradas pelos dados obtidos com telescópios baseados na Terra. Os cientistas usaram os dados da Voyager para resolver um debate sobre se Titã tinha uma atmosfera fina ou espessa, descobrindo que Titã era coberto por uma espessa camada de hidrocarbonetos com uma atmosfera rica em nitrogênio. A descoberta levou os cientistas a preverem que Titã poderia ter mares de metano líquido e ter etano na superfície.
Os cientistas viram essas nuvens transitória de minúsculas partículas conhecidas como "raios" em imagens da sonda Voyager da NASA. Uma carga eletrostática parece estar levitando partículas do anel minúsculo acima do plano do anel, mas os cientistas ainda estão tentando descobrir como conseguir que as partículas de carga como eles analisam imagens da sonda Cassini da NASA.
Quando eu olho de volta, eu percebo quão pouco sabíamos sobre o Sistema Solar antes da Voyager”, adicionou Stone. “A cada dia descobríamos coisas que não sabíamos que poderiam existir”.
De fato, os encontros da Voyager levantaram muitas outras questões que outra sonda da NASA a Cassini foi enviada para tentar solucionar os mistérios. Enquanto a Voyager 1 passou a 126000 quilômetros acima das nuvens de Saturno e a Voyager 2 aproximou um pouco mais passando a 100800 quilômetros, a sonda Cassini mergulhou mais para perto do planeta e algumas vezes faz órbitas bem próximas desde que chegou a Saturno em 2004. Pelo fato da jornada ao redor de Saturno da sonda Cassini ser uma missão extensa, os cientistas têm encontrado explicações para muitos dos mistérios vistos pela primeira vez pela Voyager. A Cassini tem descoberto um mecanismo para explicar os novos terrenos em Encélado – fissuras como listras de tigres com jatos de vapor d’água e partículas orgânicas. Ela revelou que Titã possui lagos estáveis de hidrocarboneto líquido na sua superfície mostrando como o satélite se parece mesmo com a Terra. Dados da Cassini tem também resolvido o problema de como duas pequenas luas descobertas pela Voyager – Prometeus e Pandora – tem perturbado o Anel F criando as dobras e ondas.
Esta imagem da Voyager 1 mostrou lua de Saturno Titã envolta em uma névoa de hidrocarbonetos em uma atmosfera rica em nitrogênio e levou os cientistas a teorizar sobre mares de metano e etano líquidos na superfície de Titã. Cassini, confirmaram estas teorias com conclusões como Ontário Lacus (direita) e outros lagos feitos de hidrocarbonetos líquidos em Titã.
“A Cassini tem uma divida muito grande com a Voyager, principalmente pelo fato de ter feito descobertas fascinantes que de certo modo pavimentaram o caminho para a Cassini trabalhar”, disse Linda Spilker, cientista de projeto da Cassini no JPL que começou sua carreira trabalhando na missão Voyager de 1977 até 1989. “Na missão Cassini, nós ainda comparamos nossos dados com o da Voyager e assim conseguimos com orgulho construir o patrimônio da Voyager”.  Mas a Voyager deixou alguns mistérios que a Cassini ainda não resolveu. Por exemplo, pela primeira vez os cientistas registraram um padrão climático hexagonal quando eles analisaram imagens feitas pela Voyager do polo norte de Saturno. A Cassini obteve imagens de maior resolução do hexágono – que mostrou aos cientistas que é uma onda muito estável formada por um jato que persiste por ali 30 anos depois – mas os cientistas não tem certeza sobre as forças que mantém o hexágono ativo.
A sonda Voyager foram os primeiros a tirar fotos da lua de Saturno Enceladus close-up em 1980 (à esquerda), mas não foi até sonda Cassini da NASA visitou a lua gelada em 2005 (direita) os cientistas descobriram que os jatos de vapor de água e partículas orgânicas fotografar a partir da superfície
Ainda mais surpreendente são as formas de cunha de nuvens transientes de pequenas partículas que a Voyager descobriu orbitando o Anel B de Saturno. Os cientistas as chamaram de raios de roda, pois as feições se assemelham a raios de roda de bicicletas. Os cientistas da Cassini têm procurado por essas feições desde que a sonda chegou a Saturno. À medida que Saturno se aproximava do equinócio, e a luz do Sol atingia os anéis de lado, os raios reapareciam em uma porção mais externa do Anel B de Saturno. Mas os cientistas da Cassini ainda estão testando suas teorias sobre o que poderia ter causado essas estranhas feições.  “O fato que nós ainda temos mistérios hoje nos mostra o quanto ainda temos que aprender sobre o nosso Sistema Solar”, disse Suzanne Dodd, gerente de projeto da Voyager baseada no JPL. “Hoje, a sonda Voyager continua como um viajante pioneiro atravessando a borda do nosso Sistema Solar. Nós não podemos esperar para ver a sonda Voyager no espaço interestelar – no verdadeiro espaço externo – e fazer mais descobertas inesperadas”.
A imagem da Voyager 1 (esquerda) mostra nuvens convectivas em Saturno em 1980. A imagem da Cassini (direita) mostra a "tempestade do dragão", de 2004, que foi uma poderosa fonte de emissões de rádio detectado pela Cassini - semelhante ao rajadas de estática gerada por relâmpagos na Terra. Em 2009, a Cassini capturou imagens de raios piscando na atmosfera de Saturno.
A Voyager 1 foi lançada em 5 de Setembro de 1977, e está atualmente a uma distância de 17 bilhões de quilômetros do Sol. Ela é a sonda mais distante da Terra. Já a Voyager 2 foi lançada em 20 de Agosto de 1977 e atualmente se encontra a uma distância de 14 bilhões de quilômetros do Sol.
Fonte:http://www.jpl.nasa.gov/news/news.cfm?release=2010-381&cid=release_2010-381&msource=10381&tr=y&auid=7347355#6

Comentários

Postagens mais visitadas

Tipos de Estrelas

Anã branca: Estrela pequena e quente, que se acredita assinalar o estágio final de evolução de uma Estrela como o Sol. Uma Anã branca é mais ou menos do tamanho da Terra, embora contenha tanta matéria quanto o Sol. Essa matéria compacta é tão densa que um dedal dela pesaria uma tonelada ou mais. As Anãs brancas são tão fracas que mesmo as mais próximas de nós, que giram em torno de Sirius e de Procyon, só são vistas com telescópio. 
Anã vermelha: Estrela fria e fraca, de massa menor que a do Sol. As Anãs vermelhas são provavelmente as Estrelas mais abundantes em nossa galáxia, embora seja difícil observá-las em virtude de seu brilho fraco. Mesmo as Anãs vermelhas mais próximas, Próxima Centauri e a Estrela de Barnard, são invisíveis sem telescópio. 
Anã Marron: É um corpo celeste cuja massa é pequena demais para que ocorra uma fusão nuclear em seu núcleo, a temperature e a pressão do núcleo são insuficientes para que a fusão aconteça. Por isso, não pode ser considerada realmente uma est…

Conheça as 10 estrelas mais próximas da Terra

O sol é uma estrela entre milhões na nossa galáxia. Mas muitas outras estrelas próximas existem, inseridas nos seus próprios sistemas e possivelmente algumas delas até terão planetas a orbitá-las. A presente lista detalha as 10 estrelas mais próximas das Terra, cada uma com o seu próprio sistema solar e algumas pertencendo a sistemas binários. Algumas delas são anãs vermelhas, sendo que possuem uma magnitude tão baixa que apesar da sua proximidade à Terra não as conseguimos ver a olho nu. 1. O Sol Distância: 8 minutos/luz Obviamente, a estrela mais próxima da Terra é a estrela central no nosso sistema solar, nomeadamente o nosso sol. Ele ilumina diretamente a Terra durante o dia e é responsável pelo brilho da Lua durante a noite. Sem o Sol, a vida como a conhecemos não existiria aqui na Terra. 2. Alpha Centauri Distância: 4,24 anos-luz Alpha Centauri é na verdade um sistema composto por três estrelas. As estrelas principais no sistema de Alpha Centauri, chamadas de Alpha Centauri A e Alp…

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Mercúrio é um planeta seco, quente e quase não tem ar. O planeta fica a quase 58 milhões de quilômetros do Sol e não tem lua nem atmosfera. Fica tão perto do Sol que as temperaturas da superfície podem chegar a 430oC. Assim como a Lua, o planeta é coberto por uma camada fina de minerais. Mercúrio também tem áreas de terra amplas e planas, precipícios e muitas crateras profundas como as da Lua. Cientistas dizem que o interior de Mercúrio e da Terra é feito de ferro.

Vênus é o segundo planeta mais próximo do Sol e é quase do mesmo tamanho da Terra. A superfície do planeta é cheia de montanhas, vulcões, cânions e crateras. O planeta é coberto por nuvens de ácido sulfúrico, uma substância mortal. Vênus também é um planeta muito quente: a temperatura na superfície é de 460oC. Os cientistas enviaram uma nave para explorar o planeta. A primeira a sonda passar perto do planeta foi a Mariner 2, em 1962.

A Terra é o terceiro mais próximo do Sol e o maior dos quatro planetas rochosos. É uma esfera…

Espaço sideral

Espaço sideral é todo o espaço do universo não ocupado por corpos celestes e suas eventuais atmosferas. É a porção vazia do universo, região em que predomina o vácuo. O termo também pode ser utilizado para se referir a todo espaço que transcende a atmosfera terrestre.
Conceituações
Em astronomia, usa-se a denominação "espaço externo" ou "espaço sideral" para fazer referência a todo espaço que transcende o espaço englobado pela atmosfera terrestre. O espaço sideral é frequentemente subdividido em três subespaços:
1.Espaço interplanetário designação usada sobretudo para se referir aos espaços existentes entre os planetas do nosso próprio sistema solar. Por extensão, inclui as distâncias entre os eventuais planetas de qualquer sistema estelar, inclusive o nosso.
2.Espaço interestelar designação usada para se referir às porções de quasi-vácuo existentes entre as estrelas. Refere-se sobretudo aos espaços entre as estrelas da nossa própria galáxia: a Via Láctea.
3.Espaço inte…

23 curiosidades sobre o universo.

O universo e a astronomia já são fascinantes por si só, mas entre grandes descobertas, imagens fantásticas e fatos surpreendentes, existem curiosidades muito interessantes para todos os entusiastas. Neste artigo reunimos as 23 curiosidades que achamos mais interessantes para partilhar. Algumas são do conhecimento geral, mas relembrar é bom para o conhecimento cientifico do que nos rodeia.
1. A Terra pesa 5 980 000 000 000 000 000 000 000 kg; 2. Se estás a tentar decorar o nome das estrelas, começa por esta: Torcularis Septentrionalis. Não consegues pronunciar, mas também não consegues esquecer; 3. Um carro a 160km/h demoraria 221 000 milhões de anos a chegar ao centro da Via Láctea; 4. O Universo expande-se cerca de 1,6 biliões de km por hora; 5. Os astronautas não podem chorar. Não que seja lei, mas porque não existe gravidade para que as lágrimas possam escorrer; 6. As interferências nas televisões são provocadas pelas ondas do Big Bang no início do Universo; 7. A constelação do Cruzeiro …

Como surgiram as galáxias

Nos últimos anos, nossa visão do universo passou por grandes transformações. Uma delas é que os pesquisadores descobriram que ele está se expandindo muito e é povoado por uma infinidade de corpos celestes. Isso porque no começo do século passado, todos acreditavam que a Via Láctea era a única galáxia do universo, apesar de avistarem outras, acreditavam que fazia parte da nossa galáxia. Mas no ano de 1924, Edwin Hubble deu uma luz na situação, e provou que existem centenas de bilhões de galáxias, muito mais do que se imaginava, e que elas estavam se distanciando entre si, todas estavam se afastando de nós. Isso levantou muitas questões a respeito de que estávamos no centro do universo, mas esse é tema para outro artigo. Mas então se essas galáxias estão se afastando cada vez mais, é de se imaginar que um dia elas estavam mais unidas. E voltando ainda mais no tempo, estavam todas amontoadas num único ponto, o Big Bang. Mas o assunto de hoje é como elas surgiram. Se o universo está se exp…