19 de julho de 2018

O modelo cosmológico padrão acaba de ser confirmado


O satélite Planck, da Agência Espacial Europeia ( ESA ), passou quatro anos, entre 12 de agosto de 2009 e 23 de outubro de 2013, estudando o Universo primordial e sua evolução. O satélite Planck mapeia a radiação no comprimento de onda das microondas. Antes disso, o Universo era completamente escuro e opaco. A radiação cósmica de fundo em micro - ondas ( CMB, na sigla em inglês ), como é chamada, foi originalmente causada por fótons que se estenderam até o comprimento de onda de microondas à medida que o Universo se expandia. 

Ao estudar as diferenças e mudanças no CMB em diferentes regiões do céu, os astrônomos podem calcular várias características do Universo à medida que ele evoluiu ao longo do tempo. Os cientistas do Planck acharam que a qualidade de alguns dos dados de polarização naquela versão de 2015, relativa à orientação das ondas de luz, estava faltando, e talvez não fosse boa o suficiente para ser usada na cosmologia. 

Nos anos seguintes, os cientistas do projeto Planck reprocessaram os dados, comparando - os com observações feitas por outros instrumentos, análises e experimentos, o que os levou a estes dados atuais, que tiveram resultados bastante satisfatórios. “ Este é o legado mais importante do Planck ”, diz Jan Tauber, Cientista do Projeto Planck da ESA. 

“ Até agora, o modelo padrão da cosmologia sobreviveu a todos os testes e o Planck fez as medições que mostram isso ”, diz ele em um comunicado à imprensa da ESA. 

“ Agora estamos realmente confiantes de que podemos recuperar um modelo cosmológico baseado apenas na temperatura, apenas na polarização, e baseado na temperatura e na polarização. A Constante de Hubble Na verdade, como o modelo agora é mais preciso, ele apresenta um enigma interessante : a Constante de Hubble. 

“ Por enquanto, não devemos ficar muito empolgados em encontrar uma nova física : pode ser que a discrepância relativamente pequena possa ser explicada por uma combinação de pequenos erros e efeitos locais ”, aponta o cientista do projeto Planck Jan Tauber, da ESA, na matéria do Science Alert. O problema é que, de acordo com os dados do Planck, a Constante de Hubble tem 67,4 quilômetros por segundo por megaparsec – com menos de 1% de incerteza.
Fonte: https://www.sciencealert.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você achou interessante essa postagem deixe seu comentario!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Artigos Mais Lidos