28 de agosto de 2017

Nova explicação para o comportamento louco da estrela 'Meganestrutura alienígena'

Uma equipe de cientistas liderada por Mario Sucerquia, da Universidade de Antioquia, na Colômbia, sugeriu uma nova explicação para os padrões de brilho irregular da estrela K8462852, que recentemente retomou seu comportamento incomum. A mudança misteriosa na sua opacidade poderia ser causada por um exoplaneta em trânsito, de estrutura anelar, semelhante a Saturno. 

Estudamos a dinâmica da formação de inclinações no anel para explicar sinais de trânsito irregulares e anômalos de planetas aninhados, próximos uns aos outros, bem como os estágios evolutivos iniciais de seus anéis”, escreveram os pesquisadores. Uma equipe de astrônomos liderada por Tabetha Boyajian, da Universidade de Yale, notou, em 2015, o comportamento incomum de uma estrela chamada KIC 8462852. Normalmente, as estrelas observadas a partir da Terra se escurecem sempre que um planeta passa em frente a ela, num processo chamado de “trânsito”.
Esse não foi o caso da KIC 8462852, mais tarde denominada “estrela de Tabby”. Seguiu-se uma onda de explicações, desde cometas intrusos até uma “megaestrutura” colossal que orbita a estrela, supostamente construída por seres extraterrestres. Sucerquia e seus colegas testaram sua ideia através de simulações de como a luz se curva quando um planeta anelado transita sua estrela, a cerca de um décimo da distância que a Terra leva até o Sol.
Um exoplaneta desse tipo cria brilhos irregulares quando seu anel bloqueia primeiro algumas das estrelas e, em seguida, passa a ofuscá-las ainda mais. Depois, os anéis as bloqueiam outra vez. Esses trânsitos não produzem nenhum padrão óbvio, pois os anéis podem estar em ângulo diferente a cada momento. Além disso, suas simulações demostraram que uma estrela pode atrair os anéis e fazê-los balançar, intensificando a maneira irregular como suas luzes se enfraquecem. 
“Descobrimos que as estruturas anelares inclinadas sofrem mudanças de formato e direção a curto prazo, que se expressam como fortes variações de profundidade no trânsito e nos momentos de contato, mesmo entre eclipses consecutivos”, explicaram no documento.
No entanto, para alguns, essas observações não são suficientes. “Ainda não reconhecemos um padrão nas alterações de brilho ou uma escuridão quase periódica ou mesma periódica na estrela de Tabby, produzida por um exoplaneta anelado”, disse Keivan Stassun, da Universidade Vanderbilt, ao New Scientist.
“O objetivo deste trabalho é mostrar à comunidade científica que existem mecanismos que podem alterar as curvas luminosas”, disse Sucerquia ao New Scientist. “Essas mudanças são geradas pela dinâmica das luas ou dos anéis, e as alterações nesses sistemas podem ocorrer em escalas tão pequenas que devem ser detectadas em apenas alguns anos. Ele admite que, enquanto sua ideia não é a única explicação plausível para as ocorrências, as metas da equipe continuam a se focar na comparação de suas descobertas com os dados obtidos a partir da estrela de Tabby.
Este artigo foi originalmente publicado na Futurism. 
FONTE: ScienceAlert
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...