Nasa anuncia que precisa de um novo plano para recuperar suas amostras de rochas marcianas

A NASA mordeu mais do que podia mastigar quando enviou o rover Perseverance a Marte para coletar amostras. 

Montagem de amostras de rochas em Marte. (NASA/JPL-Caltech/MSSS) 

A missão de US$ 2,4 bilhões pousou o veículo espacial na cratera de Jezero, local de um antigo lago. É o local ideal para procurar fósseis de micróbios marcianos que podem ter existido quando o planeta era repleto de lagos e rios.

A principal missão do Perseverance é coletar amostras de rochas e sedimentos ao longo do leito do lago e da borda da cratera, na esperança de encontrar um sinal de que a vida já prosperou no planeta vermelho. O rover fez um bom trabalho – até agora conseguiu 24 amostras – mas a NASA não sabe mais como irá trazê-las à Terra para análise.

O projeto original da NASA para a missão de recuperação, chamada Mars Sample Return, desmoronou.

A agência está pedindo às empresas que intervenham e proponham ideias melhores.

Os restos de um antigo delta de rio na borda da cratera de Jezero, capturado pela sonda Mars Express da ESA. (ESA/DLR/FU-Berlim)

“Estamos analisando possibilidades inovadoras que possam devolver as amostras mais cedo e a um custo menor”, disse Nicola Fox, chefe da Diretoria de Missões Científicas da NASA, em uma coletiva de imprensa na segunda-feira.

“Este é definitivamente um objetivo muito ambicioso.

Precisaremos buscar algumas novas possibilidades de design muito inovadoras e, certamente, não deixar pedra sobre pedra.” O antigo plano da NASA custa US $ 11 bilhões e demora muito A proposta original da NASA para o retorno de amostras de Marte é “alucinantemente complicada”, disse David Parker, diretor de exploração espacial da Agência Espacial Europeia, em 2021.

A ideia era lançar dois foguetes em direção a Marte, um carregando um módulo de pouso e outro carregando um orbitador.

A sonda seria a maior já enviada a Marte.

Ele pousaria perto do estoque de amostras que o Perseverance configurou, implantaria um rover para buscar os tubos de amostra e os carregaria em um pequeno foguete conectado ao módulo de pouso.

Uma ilustração mostra um conceito de como a missão Mars Sample Return da NASA lançaria as amostras do Perseverance da superfície de Marte. (NASA/JPL-Caltech)

Em seguida, o foguete lançaria as amostras na órbita de Marte, onde as ejetaria em direção ao orbitador, que seria a maior espaçonave já enviada pela NASA a Marte. 

O orbitador teria que pegar as amostras, viajar de volta à Terra e lançar o recipiente de amostras em uma queda de fogo até a superfície do nosso planeta, onde uma equipe as recuperaria.

O plano da missão contou com cerca de 4 bilhões de dólares em novas tecnologias e uma década de concepção e construção da missão.

Mas o custo projetado aumentou para US$ 8 a US$ 11 bilhões desde que o Perseverance pousou na cratera de Jezero. Revisões independentes também concluíram que, em vez de uma década para trazer as amostras para a Terra, seriam necessárias duas.

“O resultado final é que US$ 11 bilhões são muito caros, e não devolver amostras até 2040 é inaceitavelmente longo demais”, disse o administrador da NASA, Bill Nelson, no briefing.

“É na década de 2040 que pousaremos astronautas em Marte.” Com o preço atual, o Mars Sample Return “canibalizaria? outras missões da NASA, disse Nelson.

Portanto, a agência está convocando todos os envolvidos, dentro e fora da NASA, para elaborar um novo plano.

NASA quer empresas com tecnologia ‘testada e comprovada’ Fox disse que a NASA precisa ver propostas curtas de empresas ou laboratórios até 17 de maio.

Em seguida, a agência escolherá alguns desses concorrentes para desenvolver ainda mais suas ideias durante um período de 90 dias, com propostas completas na mesa da NASA no final do outono ou início do inverno. Alguns dos empreiteiros mais testados e comprovados da NASA incluem Lockheed Martin, Northrop Grumman, Boeing e SpaceX.

Startups como Astrobotic e Intuitive Machines estão entrando na NASA por meio do programa de lua nova da agência.

“O que esperamos é poder voltar a algumas arquiteturas mais tradicionais testadas e comprovadas”, disse Fox.

“Qualquer coisa que exija grandes avanços tecnológicos normalmente, por experiência própria, leva muito tempo.” Quanto à viagem de regresso de Marte à Terra, será um salto tecnológico, aconteça o que acontecer.

“Nunca lançamos de outro planeta, e é isso que torna o Mars Sample Return uma missão tão desafiadora e interessante, porque é realmente a primeira de um tipo”, disse Fox.

Fonte: sciencealert.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mu Cephei

Cavalo-marinho cósmico

Fobos sobre Marte

Eta Carinae

Nebulosa Crew-7

Astrônomos encontram planetas ‘inclinados’ mesmo em sistemas solares primitivos

Agitando o cosmos

Júpiter ao luar

Galáxia Messier 101

Ganimedes de Juno