Kepler completa missão principal, começa a missão prolomgada

A NASA atingiu dois marcos na busca de planetas como a Terra - a conclusão bem-sucedida da missão principal de 3 anos e meio do Telescópio Espacial Kepler e o início de uma missão prolongada que pode durar até quatro anos.
Impressão de artista do Telescópio Espacial Kepler.Crédito: NASA
Os cientistas têm usado os dados do Kepler para identificar mais de 2300 candidatos a planeta e para confirmar mais de 100 planetas - ensinando-nos que a nossa Galáxia está repleta de sistemas planetários, que os planetas são prolíficos e fornecendo pistas de que a Natureza faz pequenos planetas de forma eficiente. Até agora, foram encontrados centenas de candidatos a planeta tipo-Terra, bem como candidatos que orbitam na zona habitável, a região de um sistema planetário onde a água líquida pode existir à superfície de um planeta. Nenhum dos candidatos é exactamente como a Terra. Com a conclusão da missão principal, o Kepler recolheu dados suficientes para começar a encontrar verdadeiros análogos Sol-Terra - planetas do tamanho da Terra com uma órbita de um ano em torno de estrelas semelhantes ao Sol.

"As descobertas iniciais da missão Kepler indicam que pelo menos um-terço das estrelas têm planetas e que o número de planetas na nossa Galáxia deve rondar os milhares de milhões," afirma William Borucki, investigador principal do Kepler, no Centro de Pesquisa Ames da NASA em Moffett Field, no estado americano da Califórnia. "Os planetas de maior interesse são outras Terras e estes podem já estar nos dados que aguardam análise. Os resultados mais interessantes do Kepler ainda estão por vir!  O Telescópio Espacial Kepler da NASA pesquisa candidatos a planeta em órbita de sóis distantes, ou exoplanetas, ao medir continuamente o brilho de mais de 150.000 estrelas. Quando um candidato a planeta passa, ou transita, em frente da estrela a partir do ponto de vista do telescópio, a luz da estrela é bloqueada. Planetas de diferentes tamanhos bloqueiam diferentes quantidades de luz estelar. A quantidade de luz estelar bloqueada por um planeta revela o seu tamanho relativamente à estrela-mãe.

O Kepler foi lançado a 6 de Março de 2009. A sua missão era examinar uma parte da Galáxia para determinar que fracção de estrelas pode abrigar planetas do tamanho da Terra, potencialmente habitáveis. Os planetas que orbitem perto ou dentro das zonas habitáveis são de particular interesse. O Kepler começou a busca por pequenos mundos como o nosso a 12 de Maio de 2009, após dois meses de comissionamento. Passados poucos meses, cinco planetas extrasolares, conhecidos como Júpiteres quentes por causa do seu enorme tamanho e órbitas próximas em torno das suas estrelas, foram confirmados. O fotómetro requintadamente preciso do Kepler, ou sensor de luz, está desenhado para detectar alterações minúsculas no brilho, o que indica um planeta do tamanho da Terra. Para um observador distante, a Terra ao transitar o Sol, bloquearia a sua luz por apenas 84 partes num milhão. Isto é menos do que 1/100 de um por cento, o equivalente à quantidade de luz bloqueada por um mosquito em frente ao farol de um carro, visto a vários quilómetros de distância.

Os dados dos trânsitos são ricos em informação. Ao medir a profundidade da queda do brilho e conhecendo o tamanho da estrela, os cientistas podem determinar o tamanho ou raio do planeta. O tempo que o planeta demora a completar uma órbita pode ser determinado ao medir o tempo decorrido entre trânsitos. Assim que o período é conhecido, pode ser aplicada a Terceira Lei de Kepler para determinar a distância média do planeta à estrela. Com esta distância, e a temperatura e tamanho da estrela, os cientistas conseguem saber se o planeta está ou não na zona habitável.

Os resultados dos dados do Kepler continuam a expandir o nosso conhecimento dos planetas e dos sistemas planetários. Aqui ficam alguns pontos altos da missão Kepler:

•Em Agosto de 2010, cientistas confirmaram a descoberta do primeiro sistema planetário com mais de um planeta transitando a mesma estrela. O sistema Kepler-9 abriu a porta que permite a medição de interacções gravitacionais entre planetas, tal como observado pelas variações no seu tempo de trânsito. Esta nova e poderosa técnica permite com que os astrónomos, em muitos casos, calculem a massa dos planetas directamente a partir de dados do Kepler, sem a necessidade de seguimento com observações terrestres;

•Em Janeiro de 2011, a equipa do Kepler anunciou a descoberta do primeiro planeta inquestionavelmente rochoso, fora do Sistema Solar. Medindo 1,4 vezes o tamanho da Terra, Kepler-10b é o planeta confirmado mais pequeno com medições do raio e da massa. Os resultados dos dados do Kepler continuaram a descobrir planetas cada vez mais pequenos, alguns com o tamanho de Marte, e dizem-nos que mundos rochosos e pequenos podem ser comuns na Via Láctea;
 
•Em Fevereiro de 2011, cientistas anunciaram ter encontrado um sistema planetário apinhado e compacto - uma estrela que tem múltiplos planetas em trânsito. Kepler-11 tem seis planetas maiores que a Terra, todos orbitando mais perto da sua estrela-mãe do que Vénus orbita o Sol. Este e outros sistemas multiplanetários subsequentemente identificados têm um espaçamento orbital, em relação à sua estrela e aos próprios planetas, totalmente diferente do imaginado antes da missão;
 
•Em Setembro de 2011, os dados do Kepler confirmaram a existência de um mundo com um pôr-do-Sol duplo como o famoso retratado nos filmes da saga "Guerra das Estrelas" há mais de 35 anos. A descoberta de Kepler-16b tornou o que já foi o reino da ficção científica, em facto científico. Desde então, as descobertas de outros seis mundos que orbitam outras estrelas duplas demonstram que os planetas podem formar-se e persistir nos arredores de um sistema com duas estrelas;
 
•Em Dezembro de 2011, o Kepler anunciou o primeiro planeta da missão descoberta na zona habitável. Com aproximadamente 2,4 vezes o tamanho da Terra, Kepler-22b é o planeta mais pequeno já descoberto em órbita de uma estrela parecida com o Sol e na zona habitável. Esta descoberta confirmou que estamos cada vez mais perto de encontrar planetas como o nosso;
 
•Em Fevereiro de 2012, a equipa do Kepler anunciou mais de 1000 novos candidatos a planeta de trânsito, para um total acumulado de 2321. Os dados continuam a tendência de identificar planetas cada vez mais pequenos e com períodos orbitais maiores e mais parecidos com o da Terra. Os resultados incluem centenas de sistemas planetários - estrelas com múltiplos candidatos a planeta em trânsito;
 
•Recentemente, cidadãos que participavam no programa "Planets Hunters", liderado pela Universidade de Yale, que pede ajuda ao público para analisar os dados do Kepler em busca de planetas em trânsito, fizeram a sua primeira descoberta planetária. O esforço conjunto de astrónomos amadores e cientistas levou ao primeiro caso de um planeta em órbita de uma estrela dupla que, por sua vez, são orbitadas por um segundo par de estrelas distantes.

"O tesouro de novas descobertas planetárias do Kepler, muitas bem diferentes do que qualquer outra encontrada anteriormente, vai continuar a surpreender. Mas para mim, a descoberta mais maravilhosa da missão não foi a descoberta de planetas individuais, mas de sistemas de dois, três, até seis planetas localizados bem perto das suas estrelas e, tal como os planetas que orbitam o Sol, movendo-se sob quase o mesmo plano," afirma Jack Lissauer, cientista planetário no Ames. "Tal como as pessoas, os planetas interagem e podem ser muito afectados pelos seus vizinhos. Como são as vizinhanças de exoplanetas tipo-Terra? Esta é a pergunta que mais espero que o Kepler responda nos próximos anos.

Em Abril de 2012, a NASA concedeu ao Kepler uma extensão da missão, provavelmente até 2016. Mais tempo permitirá a busca contínua de mundos como o nosso -- mundos que não estão nem muito longe nem muito perto da sua estrela.  A Terra não é única, não é o centro do Universo. A diversidade de outros mundos é maior que a descrita em todos os livros e filmes de ficção científica," afirma Geoff Marcy, professor de astronomia da Universidade da Califórnia, em Berkeley, EUA. "Aristóteles estaria orgulhoso de nós, por termos respondido a algumas das questões mais profundas e filosóficas acerca do nosso lugar no Universo.
Fonte: http://www.ccvalg.pt

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tipos de Estrelas

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Nova Classificação do Sistema Solar

Como surgiu o primeiro átomo?

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Isaac Newton